abril, 2017

Torpedos – Curso no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc


25 abr

Torpedos_Curso CPF_17:05 a 07:06:17_1

Torpedos_Curso CPF_17:05 a 07:06:17_2

TORPEDOS – Literatura na Ponta dos Dedos

Local: Centro de Pesquisa e Formação – Sesc São Paulo

Endereço: Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 4º andar – Bela Vista – São Paulo (esquina com Av. 9 de Julho)

Dias e horários: Quartas, das 14h30 às 17h30

Data: 17/05/2017 a 07/06/2017

As inscrições podem ser feitas no site do Centro de Pesquisa e Formação ou nas Unidades do Sesc em São Paulo.

Acesso o link para as inscrições aqui: http://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br/atividade/torpedos-literatura-na-ponta-dos-dedos

Sinopse
A proposta do curso “TORPEDOS – Literatura na Ponta dos Dedos”, é criar com poucos caracteres. É uma atividade de estímulo à escrita usando todas as ferramentas disponíveis à mão, especialmente os aparelhos celulares. Arte 2.0
Escrever para ler em um toque, em um clique, em um piscar de dedos. Soltar o verbo, deixar a literatura fácil. “Com poucos caracteres se escreve o que é preciso. Palavra de Narciso.”
Trata-se de uma oficina de criação que trabalha a linguagem da literatura para os dias de hoje, de síntese e conectividade. Os participantes se exercitarão na criação de poemas, mini-contos e até romances visando o compartilhamento online (via celular e internet) e também a publicação em livro e e-book, com informações sobre gêneros, estilos, tendências, mercado editorial, direitos autorais e outros.

Objetivos
– Estimular e promover a paixão pela literatura;
– Ajudar aspirantes a escritores , estudantes, professores e todos aqueles que amam a literatura a desenvolverem seus talentos com criatividade;
– Valorizar o ofício do escritor;
– Estimular a leitura;
– Formar escritores e leitores;
– Estimular a apropriação criativa dos aparelhos celulares;
– Facilitar a compreensão e o entendimento por parte de educadores e estudantes das possibilidades multimídia dos aparelhos celulares para produção de conteúdo cultural;
– Incentivar o intercâmbio de escritores, estudantes, educadores e participantes e a troca de experiências;
– Estimular os participantes a desenvolver habilidades e capacidades tais como interpretação, síntese, criticidade, análise, além do interesse pela pesquisa e pela construção de linguagens artísticas.

Metodologia
Através de exercícios de criação individual e coletiva, os participantes são convidados a se apropriarem dos seus celulares (e outros recursos à mão) de forma criativa para criar poemas, mini-contos pequenas narrativas, fotos, videos e peças de áudio inspiradas na literatura.
A oficina parte de vivências práticas, com exercícios de escrita, interpretação, captação, gravação, edição e compartilhamento de textos, fotos, vídeos e áudio, que dialogam com a teoria.
Os participantes trabalham juntos na elaboração e finalização de trabalhos com o celular e outras TICs.
No final, ocorre socialização dos trabalhos elaborados em um sarau.

Público participante

Aspirantes a escritores , estudantes, professores e todos aqueles que amam a literatura
– Jovens, adultos, terceira idade
– Estudantes
– Educadores
– Outros interessados

Conteúdo programático
Aula 1:
Construir conhecimento
Criar com o celular – Tema: livre
Escrever de olhos fechados
Compartilhar com a própria rede

Aula 2:
Criar com o celular – Temas (lista)
Desafios e oportunidades para a literatura no mobile
Compartilhar com a própria rede e a rede da oficina

Aula 3:
Territórios da palavra (Mobile, papel, intervenções urbanas, música etc)
Criar com o celular – Tema: Narrativas de nossas vidas
Compartilhar com várias redes / várias ferramentas

Aula 4:
Avaliar os processos de criação
Avaliar os processos de compartilhamento
Sarau

Tópicos Tranversais
* O que é um (bom) texto literário em um mundo mobile
* Gêneros, Estilos, Estética
* O Escritor e o Leitor: Para quem você escreve?
* Técnicas de Escritas:
– Escrevendo narrativas curtas – subtexto, concisão e efeito
– Escrevendo poesias – figuras de linguagem, versos, sons e ritmos
– Escrevendo narrativas longas – encadeamento, planejamento
* Planejando uma boa história:
– Construindo o universo ficcional
– A personagem de ficção
– O diálogo e a linguagem na literatura
– O narrador
* A ambientação da narrativa
Criando Cenas e Cenários
* O mercado editorial – Direitos Autorais, Contratos, Registros
* Feiras, Salões e Bienais
* Concursos e Prêmios Literários
* Produção gráfica:
– tamanhos de livros (capa e miolo)
– papéis e gramaturas
– cores
– acabamentos
– arquivos digitais
– orçamentos
* Divulgação:
– release
– meios de divulgação
– lançamentos
* Tópicos de Língua Portuguesa

Obs.: Todas as aulas contam com exercícios práticos de escrita e compartilhamento

Referências bibliográficas

– Mobimento – Educação e Comunicação Mobile, de Wagner Merije
– Torpedos, de Wagner Merije
– O Prazer do Texto, de Roland Barthes
– Criação Literária, da ideia ao texto, José Carlos Laitano
– Cartas a um jovem escritor, de Mario Vargas Llosa
– A arte da ficção, de David Lodge
– Seis propostas para o próximo milênio, de Ítalo Calvino
– Valise de Cronópios, de Julio Cortázar
– Poética, de Aristóteles
– O laboratório do escritor, de Ricardo Piglia
– Palavra por palavra, de Anne Lamott
– Guia Prático do Português Correto, de Claudio Moreno
– Perca o medo de escrever, de Inez Sautchuk
– A arte do romance, de Milan Kundera
– Best-seller: a literatura de mercado, de Muniz Sodré
– A arte da poesia, de Ezra Pound
– Cartas a um jovem poeta, de Rainer Maria Rilke

Proponente

Wagner Merije é escritor, jornalista, curador, gestor cultural e arte-educador, pioneiro no Brasil no uso do celular na educação e cultura. Criou e coordena o projeto MVMob – Minha Vida Mobile, que já capacitou mais de 3.000 estudantes e educadores em mais de 150 municípios brasileiros para a produção de conteúdos audiovisuais utilizando aparelhos celulares. Por esse trabalho foi agraciado com o “Prêmio Inovação Educativa” pela Fundação Telefônica e OEI (Organização dos Estados Ibero-Americanos) em 2011. Publicou os livros Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 – e Turnê do Encantamento (2009), dentre outras publicações. É coordenador editorial da Aquarela Brasileira Livros. Foi curador do Sarau do Memorial, em Belo Horizonte/MG, durante os anos de 2013 a 2015, apresentando mais de 50 poetas. Trabalhou para jornais, revistas, tvs e rádios no Brasil e no exterior. Tem músicas em discos, filmes, séries e programas de TV. Recebeu também os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Prêmio da Música Brasileira (2013). Em 2014 foi homenageado pelo Salão Nacional de Poesia Psiu Poético. Mantém o site www.merije.com.br

Mais informações: faleaquarela@gmail.com

Viagem a Minas Musical


15 abr

Sinopse
Viagem a Minas Musical é uma apresentação poética-musical-cênica que leva o público em uma deliciosa viagem pelo estado de Minas Gerais, rico em tradições culturais, paisagens, sabores e prosa.
O roteiro é estruturado a partir de poemas do livro Viagem a Minas Gerais, de Wagner Merije (2013), entre outros, entrelaçado com canções de domínio público e de intérpretes e compositores como Clara Nunes, Milton Nascimento e o Clube da Esquina, Ary Barroso, Martinho da Vila, Caetano Veloso, Paulo Diniz, Wando e Ataulfo Alves.
O cenário recria uma cozinha de Minas, onde um poeta, uma cantora e um músico dão corda na prosa, na poesia e na música, enquanto vão apresentando parte da história de Minas e dos mineiros.
A proposta é que ao final da apresentação o público saia com a sensação de conhecer um pouquinho mais de Minas, mas com a certeza de que trata-se de um lugar incrível e ainda por ser descoberto por brasileiros e estrangeiros.
No elenco estão o poeta Wagner Merije, a cantora e atriz Tâmara David e o músico Matheus Nascimento.
A estreia ocorreu no Sesc Palladium, em Belo Horizonte.

 

Fotos: Henrique Chendes

Apresentação
Com pão de queijo e rapadura no embornal, venha se aventurar com uma trupe de poetas, músicos e atores nesse lugar povoado de sanfonas e sinfonias, outonos e outroras, aonde um mundo se funda, onde o Rio Jequitinhonha deságua no Mar de Espanha, levando o vaqueiro Riobaldo a bordo de um barquinho de papel.
É uma viagem para dentro do Brasil, como disse Fernanda Montenegro, citada por Caetano Veloso na gravação de A terceira margem do rio, com Milton Nascimento: ”Eu vou ao sul do Brasil e me sinto em um lugar relativamente estrangeiro. Vou a Salvador e me sinto em um lugar bastante estrangeiro… Porque no sul do país parece que fui pra Europa, na Bahia parece que eu fui pra África… Mas quando eu vou a Minas, sinto que fui para dentro do Brasil”, declarou a grande dama do teatro brasileiro.
Minas Gerais, com sua imensidão cultural e geográfica, vem historicamente seduzindo poetas, artistas e viajantes de todo o planeta. Guimarães Rosa junto com Manuelzão fez o caminho que originou o “Grande Sertão: Veredas”. Manoel Bandeira, visitando o estado, produziu o “Guia de Ouro Preto”. Mário de Andrade com Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade e o suíço Blaise Cendrars, acompanhados de uma turma da Semana de Arte Moderna, andaram visitando as Gerais, linkando poetas mineiros com  o vasto mundo, oportunidade em que  conheceram Carlos Drummond de Andrade e seus amigos.
Minas é raiz, é tradição, é antiga, mas também moderna e pulsante, sem esquecer de tudo que o envolve o “ser mineiro”: ingênuo, hospitaleiro, desconfiado e feliz.
A inspiração vem dos espetáculos “Poeta, Moça e o Violão” (1973), com Vinícius de Moraes, Clara Nunes e Toquinho, e “Brasileiro, Profissão Esperança” (1974), de Paulo Pontes, interpretado em duas montagens diferentes por Paulo Gracindo e Clara Nunes, Ítalo Rossi e Maria Bethania.

 

Fotos: Daniel Quintela

 

Duração
90 minutos

 

 

Contatos para apresentações
Aquarela Brasileira
www.aquarelabrasileira.com.br
faleaquarela@gmail.com
(11) 99821-1330

Rede Social: www.facebook.com/viagemaminasmusical

 

Elenco
Wagner Merije é poeta, compositor, jornalista, roteirista, diretor e curador. Mineiro do mundo, tem trabalhos lançados no Brasil e no exterior e alguns prêmios no currículo. Publicou os livros Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009), lançados em alguns dos principais eventos literários do país. Sua escrita também está em antologias e em outras mídias. Trabalhou para jornais, revistas, TVs e rádios no Brasil e no exterior, tais como Folha de São Paulo/Ilustrada, O Tempo, TV Minas, TV Sesc, Rádio Inconfidência, dentre outros veículos. Criou e coordena o projeto MVMob – Minha Vida Mobile, que capacita estudantes e educadores para a apropriação criativa dos celulares. Tem músicas em discos, filmes, séries e programas de TV. Recebeu os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Inovação Educativa Fundação Telefônica – OEI (2011), Prêmio da Música Brasileira (2013)­­­­. Em 2014 foi homenageado pelo Salão Nacional de Poesia Psiu Poético. É de BH, já morou em Londres e desde 2005 habita SP. Mantém o site www.merije.com.br

Tâmara David é atriz, cantora e produtora cultural. Participou de diversos grupos como Teatro Negro e Atitude, Enxadário e Sambaê, onde iniciou o estudo da voz e da percussão através da pesquisa da música de domínio público, como o samba de roda do recôncavo baiano, afoxés, música popular e afro-brasileira. Mineira de Belo Horizonte, radicada em São Paulo, integrou o grupo Ilú Obá De Min de 2007 a 2016, e como coordenadora realizou junto ao grupo preparação vocal e estudo de que inclui cantigas em yorubá presentes na cultura dos terreiros de Candomblé. Também canta em grupos de música popular brasileira, como Prato Principal, Festa da Massa, Mbej-Lua de Encantarias, Samba Negras em Marcha e Tambores em Mim.

Matheus Nascimento começou estudar violão aos 7 anos de idade no sul de Minas, onde nasceu. Hoje, como 26, morando em São Paulo, participa de diversos grupos e acompanha sambistas da nova geração e também da velha guarda, como Zé Maria, Toinho Melodia, Ideval Anselmo, Carlão do Peruche, Embaixada do Samba , Wilson das Neves, entre outros. Dirige musicalmente o grupo Roberta Oliveira & O bando de Lá e participa dos projetos, Cantigas de Alem Mar, Prato Principal e Combo de Musica Brasileira Moacir Santos.

Ficha técnica
Roteiro e Direção: Wagner Merije
Assistente de Direção: Tâmara David
Identidade visual : Rômulo Garcias
Produção: Flavia Mafra
Gestão: Aquarela Brasileira

Viagem a Minas Gerais_ilustrações Rômulo Garcias

 

Ilustrações: Rômulo Garcias

Ariano Suassuna, os doidos e o papel do escritor


13 abr

“O escritor verdadeiro procura o que há por trás das aparências”

Senzala


09 abr

Poema de Wagner Merije pubicado no livro “Viagem a Minas Gerais” (Aquarela Brasileira Livros) apresentado por Lorraine, de Anápolis/Goiás

 

Há muito tempo que eu ouço

O som da senzala

Som de corpo, som de vida, som de alma…

Tem os cantos de dor, a batida do tambor e a lei da bala

Senzala que apenas mudou de endereço, senzala

Hoje tem um beco na porta da sala

Há muito tempo que eu só durmo

Com o som da senzala

Há muito tempo que eu ouço

O som da senzala

Respeito por essas pessoas

Que tocam as suas vidas com muita música,

Música que soa

Profunda como toda história vivida

Senzala que apenas mudou de endereço, senzala

Hoje tem um beco na frente da sala

Há muito tempo que eu durmo

Com o som da senzala

Há muito tempo que eu ouço

O som da senzala

Tem os cantos de dor, a batida do tambor e a lei da bala