Diário

Song of myself


02 ago

CANÇÃO DE MIM MESMO

EU CELEBRO a mim mesmo,
E o que eu assumo você vai assumir,
Pois cada átomo que pertence a mim pertence a
[ você.

Vadio e convido minha alma,
Me deito e vadio à vontade …. observando uma
[ lâmina de grama do verão.

Casas e quartos se enchem de perfumes …. as
[ estantes estão entulhadas de perfumes,
Respiro o aroma eu mesmo, e gosto e o
[ reconheço,
Sua destilação poderia me intoxicar também,
[ mas não deixo.

A atmosfera não é nenhum perfume …. não tem
[ gosto de destilação …. é inodoro,
É pra minha boca apenas e pra sempre …. estou
[ apaixonado por ela,
Vou até a margem junto à mata sem disfarces e
[ pelado,
Louco pra que ela faça contato comigo.

A fumaça de minha própria respiração,
Ecos, ondulações, zunzuns e sussurros …. raiz
[ de amaranto, fio de seda, forquilha e videira,
Minha respiração minha inspiração …. a batida
[ do meu coração …. passagem de sangue e
[ ar por meus pulmões,
O aroma das folhas verdes e das folhas secas,
[ da praia e das rochas marinhas de cores
[ escuras, e do feno na tulha,
O som das palavras bafejadas por minha voz ….
[ palavras disparadas nos redemoinhos do
[ vento,
Uns beijos de leve …. alguns agarros …. o
[ afago dos braços,
Jogo de luz e sombra nas árvores enquanto
[ oscilam seus galhos sutis,
Delícia de estar só ou no agito das ruas, ou pelos
[ campos e encostas de colina,
Sensação de bem-estar …. apito do meio-dia
[ …. a canção de mim mesmo se erguendo
[ da cama e cruzando com o sol.

SONG OF MYSELF

I CELEBRATE myself;
And what I assume you shall assume;
For every atom belonging to me, as good belongs
[ to you.

I loafe and invite my Soul;
I lean and loafe at my ease, observing a spear
[ of summer grass.

Houses and rooms are full of perfumes—the
[ shelves are crowded with perfumes;
I breathe the fragrance myself, and know it and
[ like it;
The distillation would intoxicate me also, but I
[ shall not let it.

The atmosphere is not a perfume—it has no taste
[ of the distillation—it is odorless;
It is for my mouth forever—I am in love with it;
I will go to the bank by the wood, and become
[ undisguised and naked;
I am mad for it to be in contact with me.

The smoke of my own breath;
Echoes, ripples, buzz’d whispers, love-root,
[ silk-thread, crotch and vine;
My respiration and inspiration, the beating of my
[ heart, the passing of blood and air through
[ my lungs;
The sniff of green leaves and dry leaves, and of
[ the shore, and dark-color’d sea-rocks,
[ and of hay in the barn;
The sound of the belch’d words of my voice,
[ words loos’d to the eddies of the wind;
A few light kisses, a few embraces, a reaching
[ around of arms;
The play of shine and shade on the trees as the
[ supple boughs wag;
The delight alone, or in the rush of the streets,
[ or along the fields and hill-sides;
The feeling of health, the full-noon trill,
[ the song of me rising from bed and
[ meeting the sun.

Walt Whitman
Folhas de Relva (Leaves of Grass)

Ecologia de Saberes – Boaventura de Sousa Santos e Wagner Merije


26 mai

Encontro histórico e memorável do poeta e escritor Wagner Merije com o sociólogo e poeta Boaventura de Sousa Santos em Coimbra (25/05/2018), por ocasião do encerramento do ciclo de Aulas Magistrais na FEUC.

Foi no Restaurante O Casarão, em Santa Clara, em momento de trocas de ideias e de livros, confidências, afagos, poesia, cantoria e boa comida.

Wagner Merije participou também do encerramento da Aula Magistral em uma intervenção artística coletiva.

Na sexta-feira, 25/05/2018, vencemos mais um desafio na união entre a arte e a academia. Pegamos o resumo de todas as aulas do Boaventura de Sousa Santos e transformamos em uma intervenção poética coletiva.

Com Carlos Guerra Junior, Wagner Merije, Deniza Machado, Aristeo, Simone Marins, Ligia Bugelli, Carlos Henrique Piedade, Emiliana Neto, Pamela

Local: Faculdade de Economia (FEUC), Universidade de Coimbra, Portugal

 

Carlos:

Acalmem-se!

Os artistas pós-abissais chegarão!

E virão todos vestidos… De narrativas… de emancipação

 

Merije:

Nós já estamos aqui, somos todos nós

Mas precisamos nos despir

Do colonialismo, do capitalismo, do hetero patriarcado

Vestir novas linguagens

Descobrir (e assumir) que podemos fazer de uma sala de aula, uma zona libertada…

 

Deniza:

Pode a sala de aula, ser uma zona libertada?

Vai misturar conhecimento científico com cultura?

Isso é mais uma loucura do Boaventura

Que acha que tudo é campo de luta contra ditadura…

 

Aristeo

Calma! Afastem-se!

Não atirem contra o otimista trágico!

Não tenham medo!

Um outro mundo é possível, sim!

O nosso medo de mudanças radicais

É que tem sido o maior alimento da globalização hegemônica

Cada espaço que não ocupamos, o neoliberalismo ocupa

Precisamos nos alimentar com mais esperança e menos medo

E criar outra globalização

 

Simone:

É, mas vamos lutar de forma articulada

Se os opressores estão todos unidos

Nada de nos fragmentar

Toda luta feminista tem que ser anti-racista e anti-capitalista

Nem as contradições de qualquer luta podem ser motivo de nos separar

As contradições são do sistema. As resistências também serão contraditórias, vamos aprender a cada dia

 

Lígia:

Vamos diminuir as fronteiras, parceira!

Nos aproximar, encontrar os pontos de congruência

Descobrir em meios as ausências, um paraíso de competências

Vamos criar transformações radicais na nossa forma de sociabilidade

Emancipar, vencer barreiras e preconceitos

Pois assim, temos espaços para criatividade e novas subjetividades

 

Carlos Henrique:

Escuta!

Conhecimento se dá na luta! Não com verdade absoluta

Vamos transformar o pobre em rei e não deixar que ninguém esteja abaixo de lei

Lula Livre!

Direito pra todo mundo: Mulheres, negros, indígenas ou gay

 

Emiliana:

Vamos.. vencer a linha abissal e o fascismo social

Vamos.. caminhar para a cidade pós-abissal

Vamos.. valorizar a criatividade local

Vamos… incluir o rap, teatro do oprimido e sarau

Vamos… descolonizar o pensamento em Portugal

 

Pamela:

Quando aumentamos nosso poder de percepção pro sensível

Aprendemos a cada dia que…

 

Todos: Um outro mundo é possível!

 

 

Texto compilado por Carlos Guerra Junior

Poesia em Comemoração ao Derrube do Fascismo


25 abr

No dia 25 de abril de 2018, data que em Portugal se comemora o Derrube do Fascismo, Wagner Merije foi um dos convidados do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, para falar poemas que dialogassem com o tema.
O poeta Wagner Merije apresentou alguns textos de seu primeiro livro, “Turnê do Encantamento”, que em 2018 completa 10 anos de publicação.

Poesia_250418_CAPC

Programação:
Dj Set de Diogo Simões
Leitura de Poemas por Wagner Merije, Pedro Vaz e Rita Gomes
Performance sonora de Frederico Nunes e Gonçalo Parreirão, com participação especial de Wagner Merije

Não vejo a hora de reencontrar quem em mim já morou


25 abr

Não vejo a hora de reencontrar quem em mim
Não vejo a hora de reencontrar quem em mim já morou
esse desejo vai mover vai voltar o tempo vai inebriar meus pensamentos
não vejo a hora de reencontrar quem em mim deixou sentimentos
aromas lembranças e um desejo que move esperança

Vejo a hora do reencontro na próxima estação braços prontos
vou me sentir perto do pleno sentimento de todo mundo
tocando o barco vendo passar os navios do mundo

Pensando acreditar eu reencontro quem em mim já morou

… …

(Um poema de Wagner Merije, 22/06/02, publicado no livro “Turnê do Encantamento”, de 2008)

Pequena Casa de Lembranças, de Wagner Merije, na TV UC


24 mar

Foi ao arrumar a mala de sua filha para a escola que o artista e estudante de doutoramento da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), Wagner Merije, teve a ideia que o levaria a realizar uma instalação artística na Casa da Esquina e no Hospital Pediátrico de Coimbra. “A Pequena Casa de Lembranças surgiu no momento de tirar algumas coisas da mala e saber que outras ficariam para trás”. O autor da obra tomou como mote as mudanças que ocorrem na vida das crianças quando seus pais escolhem viver em outro país. “Comecei a pensar em como representar essa transição de quando as crianças têm que partir”, explica Wagner Merije.

Brinquedos, fotografias, desenhos, roupas e objetos pessoais compõem a estrutura da casa de memórias. “Muitas vezes não temos noção de que um pequeno objeto carrega uma carga enorme de sentimentos e histórias para as crianças”. Para Wagner Merije, elas são capazes de se identificarem com esses objetos e projetarem neles os amigos e parentes. O artista lembra de crianças que visitaram a exposição e atribuíram qualidades pessoais aos objetos. “Elas se colocam no lugar dos brinquedos” revela o autor.

Foram recrutados dois alunos de arquitetura da Universidade de Coimbra para participarem na criação do projeto. “O Wagner mostrou-nos várias ideias de casa e queria que o ajudássemos a construí-la com lugares para pôr brinquedos pendurados e repartições” conta o estudante de arquitetura, Joel Capitão.

Para Wagner Merije, a importância da obra passa também por atrair um público para o qual a produção artística é menos frequente. “Eu quis fazer um trabalho para crianças e convidá-las para refletirem comigo o que significam as memórias e as lembranças”.

O autor do projeto chama a atenção, contudo, da necessidade dos adultos também visitarem a instalação. Segundo ele, as questões abordadas na obra vão além dos sentimentos das crianças. Trata-se de discutir o lugar das crianças na academia e na sociedade, bem como atentar à saúde e aos cuidados infantis.

A Pequena Casa de Lembranças fica até dia 30 de março na Casa da Esquina e depois muda-se para o Hospital Pediátrico do dia 02 de abril até o dia 15 de abril.

Por Vittorio Aranha

Veja a matéria completa em http://noticias.uc.pt/multimedia/videos/memorias-e-historias-infantis-sob-e-sobre-telhado/

Balas e mártires


15 mar

Apesar disso tudo… (e apesar…)

É preciso lutar por dias melhores

Bendito e maldito tempo de combate

Cada ato contra a humanidade

Instiga os Mandelas, Marighelas, Chico Mendes,

os Ches e os Ghandis…que mobilizam as pessoas

O Deus em mim tem várias nacionalidades

Cada um lutando por sua comunidade

 

 

As vozes ora silenciadas vão se apresentar

Cada bala que parte, cada bala que parte

Me parte em mil mártires, me parte em mil mártires

 

Deus me livre, Tupac, Yuka, Neto, Marielle

Lennon, Sabotage e outros tantos

O Deus em mim tem várias nacionalidades

Cada um lutando por sua comunidade

Don’t give up your fight

 

 

Um poema de Wagner Merije em construção (2008-2018), em memória de tantos e de Marielle Franco

 

mariellefranco

 

Pequena Casa de Lembranças


03 mar

Pequena Casa de Lembranças_arte

 

Pequena Casa de Lembranças é uma representação da memória de várias crianças por meio de objetos (roupas, calçados, brinquedos, desenhos, fotografias etc) que revestem uma pequena casa de brinquedo. Uma evocação às lembranças deixadas para trás por crianças que mudam para países diferentes, como acontece com muitos filhos(as) de pesquisadores em Coimbra. Uma criação multimedia de Wagner Merije

 

Projeto selecionado para a 20ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra 2018

 

Locais, Datas e Horários de Visitação:

Casa da Esquina – Rua Aires de Campos, 06

De 14/03 a 30/03/2018

Visitas: De terça a sexta-feira, das 10h às 12h30 e das 14h30 às 18h30

Informações: 239 041 397

 

Hospital Pediátrico – R. Dr. Afonso Romão, 3030

De 02/04 a 15/04/2018

Visitas: Todos os dias, aberto 24 horas

Informações: 239 488 700

 

Processo de elaboração:

Pequena casa de lembranças é uma representação do universo infantil por meio da memória e das lembranças de crianças. Representadas por objetos pessoais (roupas, calçados, brinquedos, desenhos, fotografias e outros pertences) essas memórias e lembranças re-vestem uma pequena casa de brinquedo (de estilo Montessori). A casa e os objetos evocam casas e objetos deixados para trás por crianças que mudam de casa para cidades e países diferentes. Mundos muitas vezes apartados. E o que fica para trás tem sempre muito para contar.

Uma representação lúdica que procura trazer uma chama de vida para adultos e crianças, quer tenham passado por situação parecida ou não. Um reencontro com o passado, um chamado para o presente, um entrelaçamento de vidas e histórias para discutir a representação de memória, de casa, de pertencimento e de obsolescências emocionais e materiais. Uma síntese de três casas – casa-universo particular, casa-corpo, casa-mundo.

Em Coimbra, encontramos muitas crianças em trânsito com pais e parentes pesquisadores e moradores temporários, como a pequena Dora, filha do autor, de onde veio a inspiração.

Durante a elaboração do design e do croqui da cena, composta pela representação das memórias, das casas das diversas crianças e dos objetos referenciais da infância, as pesquisas nos levaram à uma representação de um “ambiente Montessoriano”, pelo qual temos identificação.

Representação no campo das proposições, pois nem todas as crianças vêm do mesmo ambiente, a diversidade é o comum no caso das crianças que aqui são evocadas. Mas a escolha do “estilo” da casa erguida para acolher as lembranças ora colhidas dialoga com a mensagem que a obra passa, da casa como espaço do conforto, da liberdade e das memórias. Das memórias como importantes e a serem preservadas.

Reflitamos: como ficam os corações dessas crianças nesses casos de mudanças? Carinho e atenção são extremamente necessários. A arte chama!

Sobre o Método Montessori:

Idealizadora do Método, Maria Montessori (1870 – 1952) nasceu em 31 de agosto de 1870 na cidade de Chieravale, na Itália. Primeira mulher a se formar em Medicina em seu país, logo se interessou pelos mecanismos de desenvolvimento do aprendizado infantil. Com ênfase no desenvolvimento infantil durante a primeira infância e com aplicação universal, o Método Montessori parte do princípio de que todas as crianças tem a capacidade de aprender através de um processo que deve ser desenvolvido espontaneamente a partir das experiências efetuadas no ambiente, que deve estar organizado para proporcionar a manifestação dos interesses naturais da criança, estimulando a capacidade de aprender fazendo e a experimentação da criança, respeitando fatores como tempo e ritmo, personalidade, liberdade e individualidade dos alunos.

Materiais:

– Roupas, Calçados, Brinquedos, Desenhos, Fotografias, Chupeta, Escova de dente, Boneca, animais de borracha, Bibe,

– Poliestireno azul, Cartolina Kraft, Cola, Linha de nylon, Ganchos de metal, Impressões fotográficas, alfinetes, tachinhas, tapete, cabides

Sobre o autor:

Wagner Rodrigues Araujo, mais conhecido como WAGNER MERIJE, é criador (poeta, escritor, jornalista, compositor, gestor cultural, curador, editor), envolvido com projetos multimídia ligados à educação, literatura, música, cinema/vídeo, fotografia e teatro. Não é por acaso que a sua arte é associada a essa interatividade com as tecnologias da comunicação e é conhecida como suprasensorial. Ao longo de sua carreira, Merije faz uso de diversas ferramentas, despertando a atenção e interesse de jovens e pessoas ligadas à educação, a arte e a tecnologia. Natural de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, tem trabalhos lançados no Brasil e no exterior. É doutorando em Literatura de Língua Portuguesa na Universidade de Coimbra/Portugal. Publicou os livros Mexidinho (2017), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009), lançados em alguns dos principais eventos literários do Brasil. Sua escrita também está em antologias e em outras mídias. Compôs e interpretou músicas nos discos Coletivo Universal (2004), Peopleware (2009), Se você perder a voz (2011), Suprasensorial (2012), em filmes, séries e programas de TV. Tem criações nas fronteiras entre a arte digital, a videoarte e o videoclipe. Idealizou e coordena o projeto MVMob – Minha Vida Mobile. Fez a direção artística e curadoria de vários projetos no Brasil e em outros países. Recebeu os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Lei de Incentivo à Cultura de Minas Gerais (2007-2010), FazCultura Bahia (2010), Proac São Paulo (2010), Inovação Educativa Fundação Telefônica – OEI (2011), Prêmio da Música Brasileira (2013), 28º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético (2014). Mantém o site www.merije.com.br

 

Ficha Técnica:

Concepção e Criação: Wagner Merije

Organização: Universidade de Coimbra

Produção: Aquarela Brasileira

Colaborações: Roberta Scatolini, Dora M.S.A, Joel Capitão, Hugo Martins, Rômulo Garcias

Agradecimentos: Colaboradores, Casa da Esquina (Sandra Jorge, Filipa Alves), Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Equipa do JISASUC, Hérica Jorge Pinheiro, Marcela Heraclio, Daniel Cruz, Salomé Marques, Luísa Lopes, Teresa Baptista e toda a Equipa da Semana Cultural da UC

 

Saiba mais:

www.uc.pt/semanacultural

www.aquarelabrasileira.com.br/pequena-casa-de-lembrancas

www.merije.com.br/blog/diario/pequena-casa-de-lembrancas

 

Contato: faleaquarela@gmail.com

 

 

 

 

A arte digital de Wagner Merije em A Tribuna de Santos


11 fev

Tribuna de Santos_Arte Digital_Captura de tela 2018-06-04 às 14.00.13

Entrevista de Wagner Merije sobre arte digital para o jornal Tribuna de Santos

Saiba mais:

http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/cultura/uma-arte-conectada-com-o-mundo-digital/?cHash=27ea49c38fa5b4656282e480c6f0d293

São Paulo em imagens


11 jan

capa 3D frente_São Paulo em imagens

capa 3D verso_São Paulo em imagens

Convite_São Paulo em imagens_lançamento

 

São Paulo em imagens, novo título da Aquarela Brasileira Livros, reúne 27 fotógrafos e uma belíssima coleção de imagens da maior cidade do Brasil

 

LANÇAMENTO

Dia 25/01/2018, das 19h às 22h

Matilha Cultural

Rua Rêgo Freitas, 542 – República – São Paulo/SP

 

São Paulo pelas lentes e artes de Alex Richard Martins, Bia Ferrer,   Carolina Paes, Carolina Rolim, Charles Roberto Silva, Daisy Serena, Felipe Maciel Delgado, Fernando Eleutério, João Henrique Abreu, Julio Cesar Fernandes, Lia Testa, Lucy Franco, Luiz Leite, Marcos Gonçalves, Mário Filhou José, Marlos Barros, Octavio Weber Neto, Pablo Villavicencio, Pacx Sampaio, Priscila Xavier, Rogerio Bessa Gonçalves, Soraya Idehama, Tatiana Perdigão, Tato Souza, Vanderson Satiro, Wagner Merije e Wellington Kiko Cesar

 

Aqui temos uma belíssima coleção de imagens da cidade de São Paulo. São 27 visões diferentes a provar que a beleza existe e persiste em vários ângulos. Um convite à fruição estética e a uma viagem ao coração de uma das maiores cidades da história da humanidade.

“O livro São Paulo em imagens surgiu da vontade de trazer à tona diversas representações da cidade pelos olhares daqueles que procuram manter uma relação viva e amorosa com sua paisagem urbana, que se deixam invadir cotidianamente pelo ritmo frenético e muitas vezes caótico da vida que pulsa forte. A beleza das imagens compartilhadas nos transportaram para dentro da cena, que atraíram nosso olhar distraído para os detalhes nunca antes percebidos. Assim, a cidade, sua arquitetura, seus personagens e seus detalhes, se tornaram ainda mais presentes, encantadores, impactantes para todos nós. Talvez a maior riqueza deixada por esse encontro de fotógrafos seja a importância de afirmarmos a diversidade existente nas ruas, as inúmeras possibilidades de olhar, ler e interpretar a vida e a dinâmica urbana de forma criativa e subversiva, reconstruindo assim uma nova cidade a cada momento, registrada a cada olhar sensível e atento”, contam os organizadores da obra, Lucy Franco e Wagner Merije

O prefácio é assinado pelo VJ e músico Spetto, e o posfácio pelo poeta e ator Emerson Alcalde, do “Slam da Guilhermina”.

 

Por dentro de Sampa

 

“Todos as/os autoras/es aqui apresentadas/os, 27 na soma, demonstram diariamente compromisso e amor pela capital paulista, o que não parece excluir as tantas vezes em que a cidade assusta, afasta, provoca uma vontade imensa de ir embora e nunca mais voltar. Mas a vida segue, com a fumaça tóxica dos ônibus, o barulho constante e estridente, o colorido dos grafites que provocam muita reflexão, os ‘pixos’ nos locais mais improváveis, que gritam e resistem como denúncia viva… Isso é Sampa!”, complementam os organizadores.

É nesse momento que vivemos hoje, que o livro São Paulo em Imagens vem para revelar apenas mais uma possibilidade de interpretação de certa cidade que está aí, a cidade viva, que acolhe, que sangra e que está incorporada na singularidade de milhões de olhares, no coração de cada um, com suas particularidades e contradições.

A fotografia é revelação e mistério, e muito já se falou sobre esta arte de duzentos anos. No entanto, quando nos deparamos com imagens tão belas e enigmáticas como essas nesse livro, percebemos que muito temos a refletir sobre o que as lentes captam. Henri Cartier-Bresson uma vez disse: “Fotografar, é colocar na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração.” E muito mais! “O olho do homem serve de fotografia ao invisível, como o ouvido serve de eco ao silêncio.”, escreveu Machado de Assis.

Este é um novo painel de uma cidade tantas vezes fotografada e, aparentemente, tão pouco conhecida, por ter muito a nos dizer em imagens e lembranças. Instantes únicos aqui se revelam nesse álbum fantástico, dando forma eterna ao tempo e ao modo de ver a cidade por quem nela vive e se veste de luzes e sombras.

Então, gostaríamos de convocar a todos para continuar olhando e vendo essa  cidade única e ao mesmo tempo múltipla, de maneira generosa, a cada dia, como se fosse sempre o primeiro…

 

SERVIÇO

Título: São Paulo em imagens

Autores: 27 fotógrafos/as

Editora: Aquarela Brasileira Livros

Gênero: Fotografia

Formato: 14 x 21 cm

Número de páginas: 176

ISBN: 978-85-92552-08-4

Preço: R$ 35,00

Web: www.aquarelabrasileira.com.br/sao-paulo-em-imagens

Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

Aquarela Brasileira Livros é uma editora contemporânea, criativa e ousada. Trabalhamos com autores que amam escrever e também com quem tem histórias incríveis para contar.

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

Penas, Fluidos e Bisturis, livro multimedia coletivo


08 jan

Penas Fluídos e Bisturis

 

No dia 16 de janeiro de 2018 o espaço literário mais icônico da avenida Paulista, a Casa das Rosas, recebe o lançamento do livro Penas, Fluidos e Bisturis, organizado por Rogerio Bessa Gonçalves e realizado em co-autoria com Daniel Arruda, Gabriel Stroka Ceballos, Leo Mackellene, Luís Fernando Pereira, Marcos Maia, Pedro Hutsch Balboni, R. M. Trevisan, Renato Zapata, Ricardo Kelmer, Tati Filinto, Thiago Romaro e Wagner Merije.

“Da imagem ao texto e não o seu contrário. Esse foi o convite do artista plástico Rogerio Bessa Gonçalves a doze autores. Treze imagens, mais uma, resultaram num livro-diálogo entre áreas acostumadas, dentro do universo literário, com o movimento inverso: ilustração pensada a partir da palavra escrita. Aqui, os autores produziram contos e poesias inspirados nos trabalhos com técnica de carvão, aguada de café e aquarela.”

Wagner Merije participa com os contos “Cão de guerra” e “O dia em que Patricia fez uma revelação”.

Uma realização do Coletivo Supernova.

Preço do livro: R$ 35,00
(serão aceitos cartões de débito e crédito das bandeiras Visa, Mastercard e Elo)

As ilustrações emolduradas estarão à venda por R$ 350,00 acompanhadas de um exemplar do livro.

Esperamos todos por lá!!