Foto

Arte Parte


21 ago
Foto-arte: Wagner Merije

Foto-arte: Wagner Merije

Na pele

Coimbra Cidade Livro Aberto


30 mar
Oh! Safo_Foto Wagner Merije

Oh! Safo_Foto Wagner Merije

 

Mostra fotográfica que revela um pouco de Coimbra através das imagens e suas entrelinhas.

Um descortinar de olhares sensíveis e visões particulares.

Participam Felipe Vieira, Marcela Uchoa, Mick Maxwell, Susana Elaine, Bruno Macêdo Mendonça, Ana Baptista, Wagner Merije

 

 

“O verdadeiro fotógrafo, como de resto qualquer artista, deve escolher o caminho com o coração e nele viajar incansalvemente, contemplando como pessoa inteira tudo o que é vivo. Absolutamente íntegro, sem propósito alcançar, sem submissão a regras e fórmulas, sem necessidade de parecer brilhante ou original, só assim autêntico e livre pode captar o espírito criador em movimento. Aquele que mergulha na viagem do ver tem que estar com as portas da percepção sempre abertas, sabe que diante do eterno precisa esquecer de si próprio. A criação é o que importa, caminho de conhecimento, poderosa arma de encontrar o mundo. O ato criativo é contínuo e sem fim, a prática sempre renovada de contemplar humaniza a visão, anula verdades, permite a inventividade, realça o eu interior. A recompensa é a experimentação mística do encontro com a beleza. O fotógrafo sente neste momento fulgaz algo parecido com o satori zen budista, um momento de revelação, um indefinido e maravilhoso prazer. Nessa respeitosa relação consigo mesmo, o fotógrafo cria algo de original com espontaneidade e fluência, o observador se confunde com a coisa observada, o vazio se instaura, o que estava contido volta a pulsar, o que antes era pressentimento agora é realização. A pureza do seu diálogo, por mais fotos que faça, por mais poeira que tire dos olhos, continuará andando solitário com sua câmera, mas ele também sabe que está aprendendo outra arte bem maior, a arte de não ser coisa alguma, de não ser mais que o nada, de dissolver a si próprio no vazio entre o céu e a terra.”

Fernando Pessoa

 

LOCAL: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Entrada do Anfiteatro III – 4º Piso

DATA: 05/04/2017 a 30/04/2018

 

 

21ª Semana Cultural da UC – Caminhos

Agradecimentos: Universidade de Coimbra, Equipa da Semana Cultural da UC, FLUC, colaboradores e amigos.

Idealização: Aquarela Brasileira Multimedia

Manifesto da Abundância


24 jan

Sobre amor às artes, expertise e atenção…
E sobre…
E sobre ser escolhido e escolher fazer arte…
E sobre escolha ou condenação…
E sobre educar e aprender…
E sobre a Academia…
E sobre a Língua Portuguesa…
E sobre respeito e convivência com a diversidade…

E sobre… nós…

nós

 

Nisto acreditamos…

 

Prosperidade!

O universo é abundante de recursos, de bondades e recompensas.

 

Reconhecemos na linguagem da arte a pluralidade de sentidos como traço definidor.

O mundo é uma obra aberta.

Vamos expandir nossas fronteiras, vamos romper com os paradigmas.

 

O sol há de brilhar mais uma vez.

O amor será eterno novamente.

 

Raios


21 jan

Princesa dos raios,

princesa dos raios,

tempo bom,

tempo ruim…

 

Foto: Wagner Merije

Foto: Wagner Merije

Foto: Wagner Merije

Foto: Wagner Merije

São Paulo é selva


10 nov

 

Se São Paulo é selva

Quero conhecer a fauna, a flora

Deitar na relva, nadar no rio

Colher amora

Se São Paulo é selva

Vida é como arte, aflora

Com risco, com perigo

Como uma força que não se esgota

Se São Paulo é selva,

A vida não morre, renova

Como um milagre de vida

Luz na aurora

Eu sou a alegria dos bandos

Eu sou a energia das manadas

Sou a vida que nunca seca

A alma das florestas

Sou a algazarra dos que caçam

Sou a chama dos que amam

Sou a natureza que se manifesta

Em vida e festa

(Um poema de Wagner Merije – setembro 2011)

Foto: Wagner Merije

Foto: Wagner Merije

Não acredito acreditando


21 jan

Não acredito em Poeta

que não lava a Própria cUeca

não Acredito em Homem

que não lava A própria consCiência

Não acredito em políCia

que não faça a Sua própria cOmida

não acrediTo em polícia

batEr e prender pra Mim não é Vida

Não acredito em diretor de TV

que iGnore que um dia Já fomos Nada

não acredito em diRetor de TV

é mais cego o Que não quer ver

Não acrediTo em presiDenta

que com o povo não Se entenda

não aCredito em presidenta

mas o respeito se mAntém e se aliMenta

Não acredito em advoGado

que não sabe o qUe é ser considerado

não acredito eM advogado

que esconDa o seu passado

Não acredito em pastOr

que iLude o sofredor

não acredito em pAdre

que não reParte com amor

Não acredito em políTico

que não pensa e aGe pelo coletivo

não acRedito em político

que apela para o Cinismo

Não acredito em proFessor

que não Tenha ideais

não acreDito em professor

que nem amar o outro é capaZ

Não acredito em cozinNheiro

que Não ame um meXido

não acredito em cOzinheiro

que cozinha por dinHeiro e pra ficar Famoso

Não acredito em pessoa

que se ache Muito fera

não acredito Em vão

Só acredito nos pais

nos pais e nas mães

que trocam fralda de cocô

que dão banho

que fazem comida e dão para os filhos

que escovam os dentes e dão vitamina

que fazem inalação no inverno

e levam para passear todo dia

que passam horas em claro de noite

e o dia inteiro correndo

que lêem histórias e estimulam as crianças

que são multimídia por destino e natureza

e amam o que fazem

No tempo e em cada momento

estes se farão vencedores

 

 


(Um poema em construção de Wagner Merije)

Cidade em transe no universo de Raul de Souza


16 jul

O HOMEM, O MITO Raul de Souza, trombonista reconhecido em todo o mundo, um dos pais da Bossa Nova e do Samba Jazz, lendo CIDADE EM TRANSE, meu novo livro.

Em uma visita à casa do mestre, o presentei com o livro, que logo entrou para o seu “altar”, onde o santo John Coltrane e Saint Germain emanam boas energias.

Já leu o livro?

Saiba mais aqui

FliBonito, o Mato Grosso do Sul e o vôo das palavras


14 jul

O Brasil precisa de educação. O Brasil é grande e bonito. Quando se junta a educação com a literatura, então a gente descobre que a grandeza do Brasil é ainda maior.

E se você quer conhecer esse Brasilzão, precisa conhecer mesmo, precisa conhecer Bonito, no Mato Grosso do Sul.

FliBonito_Manoel de Barros

“No descomeço era o verbo.
Só depois é que veio o delírio do verbo.
O delírio do verbo estava no começo, lá onde a criança diz:
Eu escuto a cor dos passarinhos.
A criança não sabe que o verbo escutar não funciona para cor, mas para som.
Então se a criança muda a função de um verbo, ele delira.
E pois.
Em poesia que é voz de poeta,
que é a voz de fazer nascimentos –
O verbo tem que pegar delírio.”

(Manoel de Barros, em “O Livro das Ignorãças”)

 

No dia 8 de julho de 2015 foi aberta a 1ª Feira Literária de Bonito (Flib), um evento grandioso em receptividade e marcante para todos os que participaram, público, oficineiros, leitores, autores e artistas de renome regional e nacional.

O homenageado foi e é o poeta Manoel de Barros, que inspirou a temática: “Literatura: o Delírio da Palavra”.

Sob a benção das Piraputangas Rainhas de Bonito, sob o céu incrível do lugar, na inspiração da cabeça de grandes escritores e criadores, com um gole da cachaça local e a música dos espíritos da floresta, o vôo das palavras se tornou profético e amplioso, como diria Manoel.

Bem organizada, bem-vinda e celebrada, “a Flib começa a construir um evento importante no calendário de Bonito, projetando ainda mais o nome da cidade no roteiro turístico do Brasil.” Sem esquecer de envolver, é claro, a sua população local, especialmente os educadores e estudantes, que participaram ativamente.

Foi um belíssimo “momento de atualização e construção do saber, de reflexões e de tomada de consciência.” A programação contou com importantes palestras e mesas-redondas, além de oficinas especialmente pensadas para professores, universitários e alunos do ensino médio, como “Torpedos – literatura na ponta dos dedos”, ministradas por Wagner Merije, entre outras;

atividades lúdicas com crianças dos ensinos infantil e fundamental, integrando literatura e meio ambiente; lançamentos de livros e conversas com os autores; projeção de filmes de curta-metragem; e performances, intervenções, instalações, declamações, teatro e música integrados à literatura. Todas as atividades da Flib foram gratuitas.

Na ocasião, o escritor Wagner Merije fez o lançamento de seu mais recente livro, o romance “Cidade em transe” (Aquarela Brasileira livros).

Foi uma importante oportunidade para valorizar as raízes, tradições e histórias do fértil imaginário do Mato Grosso do Sul, conhecer seus bons escritores e estar próximo de sua gente boa.

Para além das letras e dos livros, Bonito é um lugar para ser descoberto entre a floresta, na beira dos rios onde os peixes boiam como curiosos à beira d’água, nas grutas e na paisagem das estradas que só aquela região tem, nos seus mistérios e fronteiras com o Paraguai e a Bolívia.

Acaba não mundão, que muitas Flibs virão!

 

“Chão de mármore

Um céu infinito

Tinha araras nas árvores

Quando cheguei em Bonito

O meu suor se fez pão e vinho letra destino”

(Wagner Merije)

Acompanhe Flib: www.flibonito.com.br

Obra-prima


22 jun

Quando a palavra
encontra rima
Uma estrofe pode virar
obra-prima

(Wagner Merije, do livro “Torpedos”)

Foto: Merije

Foto: Merije

Tricky @ Sesc Pompéia


29 mar

Tricky_Merije_Sesc Pompéia_Nublu Festival_29032015_1























O nome do cara é Adrian Thaws, mas o mundo inteiro conhece como Tricky, um dos pais do Trip Hop.

Nascido em Bristol, Inglaterra, cidade que já visitei e é um lugar fora do comum, ele apareceu junto com o Massive Attack e logo ganhou o mundo solo.

Ele esteve no Brasil para seu primeiro show por aqui e foi muito bacana a apresentação dentro da programação do Nublu Festival.
Show mesmo foi o encontro com o mestre dos “dark beats” após o show. Vibe boa, boa conversa, simpatia mútua.

Salve Tricky! Salve os bons encontros!