Cia do Tijolo na Estação da Luz

02 jan

Meu poema canta na estação

meu poema extrai voz do coração

meu poema canta, pois que cante

canta porque são poetas os que cantam na estação da luz

Os cantores chegam e é outra estação

é hora de começar

e abrir bem o coração

e atravessar o chão encerado da estação da luz

Um cantar que desperte o vizinho

que seja tão bom como carinho

capaz de despertar as trevas do coração

quando o poema e os poetas cruzarem a estação da luz

Somos nós, vejam só

nós que estamos ali

nós que somos muitos e somos um

como gente comum na estação da luz

É hora de começar

e nós nem ainda sabemos o que é

desperta, con-venha

que não é pouco o tijolo cantar na estação da luz

Viva a Arte! Viva a resistência!

Viva a arte! Abaixo a violência!

E tudo é diferente

e parece bonito

os vagões vão respirando

e os corredores apertados também respiram na estação da luz

A gente quer voz ativa

a gente quer cantar o nosso destino

a saída é roda viva

é poesia e grito saindo do coração na estação da luz

Um poema em elaboração de Wagner Merije

Cia do Tijolo na Estação da Luz

Tags: , , , , , , , , ,