Post com a tag ‘aquarela brasileira livros’

Festival Literário de Ovar com Oficina e livro novo de Wagner Merije


01 set

FLO 7_post

 

A sétima edição do Festival Literário de Ovar, uma organização do Município de Ovar, Portugal, coordenado pelo escritor e professor Carlos Nuno Granja, teve início em 04 e vai até 12 de setembro de 2021.
Autores/as de Portugal e outros países estarão por lá participando deste importante festival em terras lusas.

O escritor Wagner Merije ministra a oficina “Torpedos – Literatura na ponta dos dedos” no dia 10/09, das 16h às 18h30, na Biblioteca Municipal de Ovar.
Nesse mesmo dia, às 21h, na Escola de Artes de Ofícios de Ovar, tem apresentação do livro mais recente do autor, “Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e práticas à procura de novas primaveras” (Aquarela Brasileira Livros, 2021).

Para conhecer o livro e baixar gratuitamente o e-book, acesse o link.

A programação está repleta de bons convites e vale a pena prestigiar este grande evento literário e cultural do norte de Portugal.

Consultem a programação completa aqui:
https://cultura.cm-ovar.pt/pt/menu/737/festivais-literarios.aspx?

VAMOS CONVERSAR com Richard Zimler


24 jun

Vamos Conversar_Richard Zimler_redux

VAMOS CONVERSAR é uma série de conversas com personalidades da literatura

No dia 08 de julho de 2021 o Centro Cultural Penedo da Saudade, do Instituto Politécnico de Coimbra, dá prosseguimento ao projeto Vamos Conversar, um ciclo de conversas e debates com personalidades da literatura.
O projeto visa estimular reflexões sobre a cultura e a educação com o objetivo de potencializar novos fluxos de interação e criação nesta tão importante e admirada cidade. Também busca fazer desses encontros ágoras de troca de ideias entre os convidados e o público, de modo que todos sintam-se acolhidos e valorizados, e que o debate gere conhecimento e transformação.
Trata-se de uma realização do Centro Cultural Penedo da Saudade e co-organização da Aquarela Brasileira Multimedia.
O convidado de julho é Richard Zimler, escritor, jornalista, professor.

Vamos Conversar 4 – Literatura, Vidas e Espelhos: Uma conversa com Richard Zimler – escritor, jornalista, professor
Dia: 08 julho 2021 – Hora: 18:00 (Lisboa)

A conversa terá transmissão em direto pelo facebook do Centro Cultural Penedo da Saudade (www.facebook.com/centroculturalpenedosaudade) e em streaming pelo Zoom (ID: 838 0711 8404 – Senha de acesso: 295987)


Sobre o Centro Cultural Penedo da Saudade

Inaugurado em 18 de janeiro de 2019 e integrado no projeto cultural do Instituto Politécnico de Coimbra, o Centro Cultural Penedo da Saudade tem como objetivo primordial contribuir para o enriquecimento cultural da comunidade deste Instituto numa complementaridade do que é já a produção cultural das suas unidades orgânicas. Também visa promover a partilha de eventos culturais e artísticos em Coimbra, quer através do reforço da divulgação quer, mesmo, através de intercâmbios. Encontra-o na zona do Penedo da Saudade, com uma bela vista da cidade.

Sobre o convidado
Richard Zimler nasceu em 1956. Fez um bacharelato em religião comparada na Duke University (1977) e um mestrado em jornalismo na Stanford University (1982). Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de San Francisco, Estados Unidos. Em 1990, foi viver para o Porto, onde foi professor de jornalismo durante 16 anos, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. Nos últimos 23 anos, publicou 11 romances, uma colectânea de contos e cinco livros infantis, que depressa entraram nas listas de bestsellers de vários países (Portugal, Brasil, EUA, Inglaterra, Itália, etc…). Os seus livros editados em Portugal – por ordem cronológica – são: O Último Cabalista de Lisboa, Trevas de Luz, Meia-Noite ou o Princípio do Mundo, Goa ou o Guardião da Aurora, À Procura de Sana, A Sétima Porta, Confundir a Cidade com o Mar (colectânea de contos), Dança Quando Chegares ao fim (livro para crianças), Os Anagramas de Varsóvia, Ilha Teresa, Hugo e Eu e as Mangas de Marte (livro para crianças), A Sentinela, Se Eu Fosse (livro para crianças), O Evangelho Segundo Lázaro, O Cão Que Comia a Chuva (livro para crianças), Maria e Danilo e o Mágico Perdido (livro para crianças) e Os Dez Espelhos de Benjamin Zarco. Vários livros seus fazem parte do Plano Nacional de Leitura, incluindo Dança Quando Chegares ao Fim, Se Eu Fosse e O Cão que Comia a Chuva. Zimler já ganhou diversos prémios, incluindo o National Endowment of the Arts Fellowship in Fiction (EUA) em 1994 e o Prémio Herodotus (EUA) para o melhor romance histórico em 1998. O prémio literário Alberto Benveniste 2009 foi atribuído a Zimler pela obra Goa ou o Guardião da Aurora. O prémio foi criado para galardoar um romance (publicado em francês) que se enquadra no programa do Centro Alberto Benveniste (Estudos Judeus-Sefarditas). Os Anagramas de Varsóvia foi nomeado o Melhor Livro de 2009 pela revista LER e também pelos alunos das escolas secundárias de Portugal (Prémio Marquês de Ouro). O Evangelho Segundo Lázaro foi nomeado um dos melhores romances do ano pelas livrarias FNAC e Bertrand. Cinco dos seus romances foram nomeados para o Dublin
International Literary Prize, um dos mais importantes do mundo anglo-saxónico. Zimler também organizou uma antologia de contos para beneficiar Save the Children e os seus programas (no caso de Portugal, para beneficiar os programas nos PALOP). A versão portuguesa inclui contos de Richard Zimler, Mia Couto, Lídia Jorge, Margaret Atwood, Nadine Gordimer, Ali Smith, Markus Zusak, Junot Díaz e 20 outros ficcionistas. Já proferiu mais de 500 conferências sobre a sua escrita e a cultura
judaica, em escolas, museus, bibliotecas, livrarias, sinagogas e auditórios públicos em mais do que 15 países, incluindo os EUA, Inglaterra, Austrália, Portugal, França e Brasil. Em 2009, Zimler escreveu o guião para O Espelho Lento, uma curta-metragem baseada num dos seus contos. O filme foi realizado no verão de 2009 pela realizadora sueca-portuguesa Solveig Nordlund e venceu o prémio de melhor filme dramático no Festival de Curtas-Metragens de Nova Iorque em Maio de 2010.

Sobre o mediador
Wagner Merije é jornalista, escritor, editor e gestor cultural envolvido com projetos ligados à cultura, educação e meio ambiente em países como Brasil, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Itália e Estados Unidos. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Como jornalista, passou por redes de TVs, rádios, jornais, revistas e sites no Brasil, Inglaterra e Portugal. Escreve para todas as idades e tem nove livros publicados, de ficção, não ficção, entre os quais estão Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e práticas à procura de novas primaveras (2021), O Cotovelo Kovid (2020), Psyche & Hamlet vão para Hodiohill (2019), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 na categoria Educação, Torpedos (2011), Turnê do Encantamento (2009), dentre outros. Como editor, publicou obras de Luís Vaz de Camões, Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Mário de Sá-Carneiro, Camilo Pessanha, João José Cochofel, entre outros, e títulos como Coimbra em Palavras, Coimbra em Imagens, São Paulo em Palavras, São Paulo em Imagens, Propostas Novas para Novos Mundos, entre outros.

Informações:
faleaquarela@gmail.com

Poesia e Ensaios na Semana do Desassossego


12 mai

Foi uma conversa boa daquelas que aconteceu na IX Semana do Desassossego e II Semana do Desassossego Digital 2021.

O evento, organizado por professores e colaboradores da Universidade de Brasília, aconteceu entre os dias 05 e 08 de maio de 2021.

A mesa-lançamento do Pulso da Palavra aconteceu no sábado – 08 de maio 16:00 (horário de Brasília), 20:00 (horário de Lisboa) e contou com diversos convidados, entre eles, Wagner Merije.

“Pulso da Palavra”

Uma publicação potente, com textos e imagens de enorme qualidade, variedade de estilos e de relevância dos conteúdos, que entrará para a História como um importante documento de reflexão.

“Pulso da Palavra” reúne produções poéticas de professores e de poetas brasileiros e portugueses que, além de apresentarem seus exercícios poéticos (seus poemas), articulam à poesia outras possibilidades de mediações.

Organizada por Eliane Testa, da Universidade Federal do Tocantins -UFT/UFNT, e Wagner Merije, da Universidade de Coimbra – UC, que também são autores, a publicação conta com as participações de Augusto Niemar, Clarissa Macedo, Maria João Cantinho, Roberto Amaral e Telma Scherer. O prefácio é assinado por Ana Clara Medeiros.

O título, segundo Eliane Testa, estabelece um diálogo com um verso de Vladímir Maiakóvski (1893-1930) “Sei o pulso das palavras”, tomado como fio condutor dos diferentes atravessamentos que a poesia convoca pela potência da “palavra”, pelo seu pulsar atemporal, e de um ponto de vista da linguagem, a palavra poética é sempre inaugural. “Ademais”, completa ela, “este título confere ainda uma singela homenagem àquele que é considerado um dos maiores poetas de todos os tempos”.

Em suas 176 páginas este livro traz à luz movimentos que vertem relações entre a criação e a crítica. São práticas artísticas e linguísticas que nos deslocam para pensar/viver as possibilidades de que um mesmo sujeito é capaz de desdobrar frente a um mundo tornado e contemplado por diversas camadas de experiências de si e/ou de eu-Outros.

O e-book encontra-se disponível para o público geral através de download gratuito no link www.aquarelabrasileira.com.br/pulso-da-palavra

Ajude a divulgar este projeto entre seus amigos e suas redes de contatos. Partilhe! Que o conhecimento circule livre e acessível para tod&s.

Boas leituras!!

Conhece-te a ti mesmo_Wagner Merije


05 mai

Conhece-te a ti mesmo_capa promo

Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e Práticas à Procura de Novas Primaveras, de Wagner Merije, elabora questões sobre educação, comportamento humano, justiça, equidade, descolonização da mente e propõe ações para construir o futuro

Esta obra inaugura a coleção Educação, Pensamento e Ação, que pretende apresentar aos leitores jovens e aos maduros questões importantes e que precisam ser melhor debatidas em busca de soluções conjuntas para o bem do coletivo. “A educação necessita tanto de forma técnica e científica como de Humanidades, sonhos e utopias”, e Paulo Freire estava certo também quando disse que “ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo”.

Wagner Merije, autor desta obra e criador e editor da coleção, inicia trazendo-nos palavras dos oráculos, essa ponte entre o ser, o vir a ser e o pode ser.

“Os seres humanos estão confusos, tremem perante os monstros que criaram e parecem não entender de onde vieram, com quem compartilham o mundo e para onde vão” – não é isto uma perfeita síntese do mundo em que vivemos, com malévolos vírus, pérfidos governantes e escusos interesses?

Para obter algumas pistas, Wagner Merije visita os oráculos e faz interessantes analogias, identificando-se com estas figuras descritas nos mitos, como aqueles que se situavam entre os dois mundos, o terreno, limitado, e o eterno, ilimitado.

Daí o título do livro, recordando a citação do templo de Apolo em Delfos, “conhece-te a ti mesmo”. Tal como o seu inquisidor, o oráculo é um pensador de ação, “pensamentos exigem práticas”, profetiza. E enumera algumas propostas, a título de exemplo.

Sem uma determinada organização e elevado instinto de justiça e solidariedade, muitas vidas continuarão sendo perdidas. Ao mesmo tempo, somos seres plurais, o universo é composto de muitas vidas, e só o respeito mútuo permitirá a comunhão dessas vidas no Planeta Terra. Daqui a um tempo muitos de nós recordarão que houve um grande período de confinamento e que bilhões de pessoas foram obrigadas a parar, observar e refletir sobre o mundo e a vida.

Trancados em casa por dias e dias (quem pôde, enfim), muita gente se viu a mensurar o valor das amizades, das companhias, da simplicidade, ao invés de contar quantas roupas ou sapatos, quantos carros ou privilégios que o dinheiro poderia comprar.

Eis um convite para ler estas páginas e refletir a sério sobre questões fundamentais, que vão de encontro ao desejo ou ao projeto de rever pensamentos e práticas, linguagens e atitudes. Aguardemos que elas tragam tempos menos cinzas e isolados. As novas primaveras.

O dia escolhido para apresentação da obra é o dia 05 de Maio, Dia Mundial da Língua Portuguesa.

O e-book encontra-se disponível para o público geral através de download gratuito no link www.aquarelabrasileira.com.br/conhece-te-a-ti-mesmo_wagner-merije ou aqui: Conhece-te a ti mesmo_Wagner Merije_ebook

Ajude a divulgar este livro entre seus amigos e suas redes de contatos. Partilhe! Que o conhecimento circule livre e acessível para tod&s.

 

SOBRE O AUTOR
Wagner Merije (Wagner Rodrigues Araújo) é educador, jornalista, escritor, editor, gestor cultural e criador multimedia envolvido com projetos ligados à cultura, educação, meio ambiente e cidadania. Suas reflexões sobre a condição humana vêm aparecendo nos últimos anos em livros, filmes, discos, exposições, peças de teatro e dança, e em conversas e palestras ao redor do mundo. É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Escreve para adultos, jovens e crianças e publicou diversos livros, incluindo O Cotovelo Kovid (2020), Psyche e Hamlet vão para Hodiohill (2019), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 na categoria Educação, Torpedos (2011), Turnê do Encantamento (2009), dentre outros. Organizou e editou dezenas de livros, entre os quais estão obras de Fernando Pessoa, Luís Vaz de Camões, Florbela Espanca, Mário Sá-Carneiro, Camilo Pessanha, João José Cochofel, e títulos como Propostas Novas para Novos Mundos, Coimbra em palavras, Coimbra em imagens, São Paulo em palavras, São Paulo em imagens, Pelas periferias do Brasil: vol. VI, dentre outros.

 

DADOS DO LIVRO
Título: Conhece-te a ti mesmo – Pensamentos e práticas à procura de novas primaveras
Autor: Wagner Merije
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Educação, Ensaio
Formato: 11,5 x 15,5 cm
Número de páginas: 52
ISBN: 978-65-86867-08-4
DL: 482521/21
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/conhece-te-a-ti-mesmo_wagner-merije
Encomendas livro impresso: faleaquarela@gmail.com

 

Aquarela Brasileira Livros
Livros são Incríveis! A gente ama!
Brasil – Portugal
www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros
www.facebook.com/aquarelabrasileira
faleaquarela@gmail.com

O Cotovelo Kovid


20 nov

O COTOVELO Kovid_capa3D

 

Pensamentos e imagens de crianças em tempos de pandemia

Quando eu tinha cinco, seis anos de idade eu estava brincando em casa e estudando na periferia de Belo Horizonte. Era época de ditadura militar no Brasil, tempo de carestia, de falta de horizonte. Passou!

Quando eu tinha seis anos eu quebrei o braço direito e precisei das mãos da minha mãe para os escovar os dentes. Ela não se lembra disso, mas tudo bem.

E como é ter cinco, seis anos em meio a uma pandemia? O que é que passa pelas crianças, seres tão sensíveis, em momentos tão complexos?

O que é para uma criança olhar para os olhos dos pais e ver a atual geração encurralada e ameaçada não pela bomba atômica ou pelas armas químicas dos ditadores, mas sim por uma microscópica proteína coberta de finíssima camada de gordura, um vírus?

Aqui em casa, com a pequena Dora, para darmos conta desses momentos tão desafiantes foi preciso muita conversa, muitos abraços e beijos, alimentação saudável, yoga, meditação, zumba, ballet (para movimentar tudo dentro), histórias e mais histórias lidas e inventadas em todo canto e na hora de embarcar nos braços do sono, desenhos, recortes, colagens, tele-aulas e imaginação solta.

Daí veio uma ideia depois outra a partir das observações das novas regras dos novos dias, uma palavra se juntou a outra e formou frases, os desenhos foram tomando as páginas do papel e PUFF, essa história de um cotovelo amigo passou a nos acompanhar dias e noites.

Como um acalento no coração de cada um de vocês, nossa singela contribuição para essa troca vai em forma desse livro cheio de amor que batizamos de “O Cotovelo Kovid”.

É uma história cheia de imaginação que pode ajudar crianças, mães, pais, familiares, professoras e professores a lidar com as dificuldades de forma lúdica.

As crianças são o futuro imediato e é com elas, juntos, que vamos (ter que) re-viver “pensamentos e práticas à procura de novas primaveras”.

Com carinho, de Dora e Wagner

 

Saiba mais do livro aqui: www.aquarelabrasileira.com.br/o-cotovelo-kovid

Festivais Literários na economia da cultura


05 nov

Webnário Festivais_FCDMLP_181120_1

Webnário Festivais_FCDMLP_181120_2


A Frente Cultural do Dia Mundial da Língua Portuguesa vem por meio deste convidar-te para participar do Webinário

Festivais Literários na economia da cultura

A conversa contará com representantes de festivais no Brasil, em Portugal e na África.
Data: 18/11/2020
18h30 (Hora de Brasília) / 21h30 (Hora de Lisboa)
A moderação está a cargo de Wagner Merije

Wagner Merije é jornalista, poeta, escritor, editor, gestor cultural e doutorando na Universidade de Coimbra. Entre seus livros estão O Cotovelo Kovid (2020), Psyche & Hamlet vão para Hodiohill (2019) e Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013. Editou obras de Fernando Pessoa, Camões, Camilo Pessanha, João José Cochofel, entre outros.

Romancista, historiadora e tradutora, Ana Filomena Amaral natural de Avintes, Vila Nova de Gaia, é mes¬tre em História Económica e Social Con¬temporânea pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, possui o cur¬so de pós-graduação em Ciências Docu¬mentais/Biblioteconomia, e uma larga experiência como intérprete e tradutora de várias línguas europeias, mantendo particular contacto com a língua alemã. Ana Filomena Amaral é autora de 13 obras, entre ficção e investigação histórica. “Gelos” é o segundo volume da trilogia “Mãe Nossa”, iniciada com “O Diretor” dedicada à Terra, que se completará com “Desertos”. Participou em vários festivais literários internacionais: Bookworm, Pequim, 4ª edição do Festival literário EU/China, Pequim, em representação de Portugal, Jaipur Literature Festival em janeiro de 2020, entre outros.

Afonso Borges é gestor cultural, escritor e jornalista. Criou, em 1986, o projeto “Sempre Um Papo” e, em 2012, o “Fliaraxá” (Festival Literário de Araxá), nos quais também é Curador. É comentarista da Rádio BandNews Belo Horizonte, com o programa “Mondolivro” e colunista no portal do jornal “O Globo”. Tem publicados 6 livros, entre eles, o infantil “O Menino, o Assovio e a Encruzilhada” (Sesi-SP Editora) e de contos, “Olhos de Carvão” (Record). É curador do Portal Mondolivro onde reúne toda a sua produção intelectual e profissional.

Filinto Elísio é poeta, novelista, colunista e ensaísta cabo-verdiano. Autor de livros de poesia, crónica e ficção, é membro e cofundador da Academia Cabo-verdiana de Letras. É editor na Rosa de Porcelana e organizador do Festival de Literatura-mundo do Sal.

Mais informações: http://dmlp.utopia.com.br

Os webnários já realizados podem ser vistos no link www.youtube.com/c/FrenteCulturaldaLínguaPortuguesa

Apoio: Aquarela Brasileira Multimedia
www.aquarelabrasileira.com.br

Leões


06 out

hd_multicolor_lion_designed__uenaoxch_by_uenaoxch-d5yrler

Leões brincam no jardim

do meu coração

vejo

dou um berro

e os leões me reconhecem

me chamam para brincar

é muito coisa

é realeza, é juba, é sangue, é urro

é fome, é garra, é selva, é jogo duro

um jeito diferente de olhar o mundo

voltas lindas que a vida dá

Leões devoram uma caça no meu jardim

é pulsação

nos olhos de feras

vou, chego mais perto

couro duro, pele crespa

pronto para lutar

seguir o instinto é o melhor nesse lugar

O tempo todo

os leões têm motivo para colar os corpos

e sentir o calor da veia do coração

os dentes afiados

não são mero detalhe da paisagem

em que se vê a morte lá no fundo

Sei que desde cedo

estes leões estão no meu jardim

e que alegria eles carregam

por isso desde esta manhã

adotarei a lição da alegria

e serei eu mesmo

apenas um leão

… …

Um poema em processo de Wagner Merije

… …

Lion Merije

Lion Merije

70 x Caio Fernando Abreu com poemas de Wagner Merije


25 set

70xCaio_Editora Patuá

Olha que coisa linda: a poesia de Wagner Merije está nesta bela obra em que setenta poetas homenageiam Caio Fernando Abreu.

A coletânea 70 x Caio, lançada pela Editora Patuá, é uma iniciativa do Davi Kinski e, inicialmente, tinha o objetivo de homenagear os 70 no nascimento do escritor, falecido em 1996.

Mas o tempo passou e esse livro, que celebra a diversidade — de vozes, mas sobretudo da vida — chega no momento certo. São vozes que evocam a poesia para falar de amor, liberdade, verdade e vida.

Lista dos autores que se encontram nessas páginas:
Wagner Merije | Marcos Lemes | Bruno Bossolan | Marcelo Ariel |Luis Guilherme Libório | Adriane Figueira | Beth Brait Alvim | Aires Mourinho | Marcos Fábio de Faria | Léo Ottesen | Nay Harrison de Lucena | Rita Maria Kalinovski | Lívia Aguiar | Davi Kinski | Emuah, Paula Valéria Andrade | Roger Willian | Michelle C Bus | Laura Castro | Camila Morgana Lourenço | Marcio Markendorf | Rosana Mercia Valentim | Daniel Valente | Gabriel Felipe Jacomel | Rodrigo Novaes de Almeida | Maya Falks | Juliana Maffeis | Jana Lauxen | Pierre Rinco | Simone Henrique | Viviane Castelleoni | Daniel Perroni Ratto | Adriana Caló |Greta Benitez | Pedro Tostes | Rosana Piccolo | Alessandro Sbampato | Rosana Banharoli | Juliano Caravela | Jr Bellé | Raul Almeida | Carolina Montone | Marina Moura Barreto | Sergia A. | Cesar R. Pontual(Bruno César Martins Rodrigues) | Cássio Junqueira | Jayme Serva | Rosana Barroso Miranda | Alice Yumi Sakai | Maria Vânia Bandeira de Matos | Cleyton Cabral | Franck Santos | Gilmar Junior | Teofilo Tostes Daniel | Vanessa Molnar | Jorge da Matta | Bruno Borin Boccia | Bruno Candéas | Ozeias Alves | Daniel Viana | Paulo César de Carvalho | Luiza Cunha | Clóvis Struchel.

Aniversário


14 ago

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino.
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui…
A que distância!…
(Nem o acho…)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a humidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes…
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio…

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos…
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim…
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui. . .
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado —,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos. . .

Pára, meu coração! Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!. . .

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!. . .

 

 

Álvaro de Campos, 15-10-1929. 1ª publ. in Presença, nº 27. Coimbra: Jun.-Jul. 1930.

Em palavras, em Coimbra, em Lisboa


15 out

livro Coimbra em Palavras_Todos juntos

Coimbra em palavras – Lançamento em Lisboa (malta)

Coimbra em palavras Lançamento em Lisboa + Wagner Merije

Vídeos: @partilheconteudo

Coimbra em Palavras reúne 34 autoras e autores (de todos os continentes) para celebrar a multifacetada cidade de Coimbra

LANÇAMENTO EM LISBOA
13/10/2018 – Livraria Tigre de Papel – Rua de Arroios 25, 1150-053

Coimbra é eterna e misteriosa e aqui é apreciada de forma criativa através das palavras de Poeta G, Rita Gomes, Ricardo Almeida, Élia Ramalho, Raquel Lima, Wagner Merije, Marie Claire De Mattia, Bruno Mendonça, Marina Alexiou, Tiago Miguel Knob, Hérica Jorge, Fábio Lucindo, Elaine Santos, O Urso, Helen Maia, Jairo Fará, Julie-Cerise Gay, Zhang Qinzhe, Aline Ferreira, Vittorio Aranha, Moema Najjar, Rafael Cheniaux, Paula Machava, Sérgio Fagundes, Clara Pereira, Laylla O’Neall

mais
Luís Vaz de Camões, Eça de Queirós, Florbela Espanca, Gregório de Matos, Gonçalves Dias, Tomás Antônio Gonzaga

Prefácio: José Augusto Cardoso Bernardes Posfácio: Adriana Calcanhotto
Organização e edição: Wagner Merije

Coimbra em Palavras faz parte de uma coleção da Aquarela Brasileira Livros, editora sediada em São Paulo e que chega agora a Portugal, que apresenta histórias afetivas de cidades, estados e países, pela visão e sentidos de quem vive e se reconhece em suas ruas, casas, esquinas e bares

Saiba mais em www.aquarelabrasileira.com.br/coimbra-em-palavras

Para comprar o livro, faça contato: faleaquarela@gmail.com