Post com a tag ‘wagner merije’

Happening With Beatniks & John Cage


14 jan

Happening With_170119

 

 

 

Em palavras, em Coimbra, em Lisboa


15 out

livro Coimbra em Palavras_Todos juntos

Coimbra em palavras – Lançamento em Lisboa (malta)

Coimbra em palavras Lançamento em Lisboa + Wagner Merije

Vídeos: @partilheconteudo

Coimbra em Palavras reúne 34 autoras e autores (de todos os continentes) para celebrar a multifacetada cidade de Coimbra

LANÇAMENTO EM LISBOA
13/10/2018 – Livraria Tigre de Papel – Rua de Arroios 25, 1150-053

Coimbra é eterna e misteriosa e aqui é apreciada de forma criativa através das palavras de Poeta G, Rita Gomes, Ricardo Almeida, Élia Ramalho, Raquel Lima, Wagner Merije, Marie Claire De Mattia, Bruno Mendonça, Marina Alexiou, Tiago Miguel Knob, Hérica Jorge, Fábio Lucindo, Elaine Santos, O Urso, Helen Maia, Jairo Fará, Julie-Cerise Gay, Zhang Qinzhe, Aline Ferreira, Vittorio Aranha, Moema Najjar, Rafael Cheniaux, Paula Machava, Sérgio Fagundes, Clara Pereira, Laylla O’Neall

mais
Luís Vaz de Camões, Eça de Queirós, Florbela Espanca, Gregório de Matos, Gonçalves Dias, Tomás Antônio Gonzaga

Prefácio: José Augusto Cardoso Bernardes Posfácio: Adriana Calcanhotto
Organização e edição: Wagner Merije

Coimbra em Palavras faz parte de uma coleção da Aquarela Brasileira Livros, editora sediada em São Paulo e que chega agora a Portugal, que apresenta histórias afetivas de cidades, estados e países, pela visão e sentidos de quem vive e se reconhece em suas ruas, casas, esquinas e bares

Saiba mais em www.aquarelabrasileira.com.br/coimbra-em-palavras

Para comprar o livro, faça contato: faleaquarela@gmail.com

Merije en Barcelona_Festival Visual Brasil


01 set

Visual Brasil 2018_cartaz

El Festival VISUAL BRASIL realizará su 16 edición los días 28 y 29 de septiembre de 2018 en el Punt Multimedia, centro dinamizador de proyectos multimedia y tecnologías digitales, situado en la Casa del Mig del Parc de la Espanya Industrial de Barcelona.

En esta ocasión celebramos juntos con artistas locales e internacionales un encuentro de investigación en el campo del audiovisual contemporáneo: videoarte, mapping, performances audiovisuales, instalaciones y nuevas medias. Una actividad que se enfoca en la producción de vídeo en tiempo real, la cultura de creación libre y nuevos formatos colaborativos.

MERIJE se presentará por segunda vez en el festival, después de una actuación muy celebrada en 2012.

MERIJE es activista cultural y creador multimedia involucrado con proyectos ligados a la música, literatura, cine / vídeo, fotografía, danza, teatro y educación. Su arte es conocida como “suprasensorial”. Tiene trabajos presentados en varios países y algunos premios en el equipaje.

HORARIO VIERNES: 18HS HASTA LAS 01:00HS
HORARIO SÁBADO: 18HS HASTA LAS 02:00HS

ENTRADA LIVRE / FREE ENTRANCE

http://festivalvisualbrasil.com/
http://festivalvisualbrasil.com/ediciones/merije

OIGA/LISTEN: www.merije.com.br/blog/som

 

Visual Brasil 2018_pagina Merije

 

Merije_Visual Brasil 2018_Special

 

Visual Brasil 2018_programación

 

O Festival visual Brasil realizará sua 16ª edição nos dias 28 e 29 de setembro de 2018 no ponto multimídia, centro dinamizador de projetos multimídia e tecnologias digitais, localizado na Casa del Mig do Parc de La Espanya Industrial de Barcelona.
Nesta ocasião comemoramos juntos com artistas locais e internacionais um encontro de pesquisa no campo do audiovisual contemporâneo: Videoarte, mapping, performances audiovisuais, instalações e novas meias. Uma atividade que se foca na produção de vídeo em tempo real, a cultura de criação livre e novos formatos colaboração.

MERIJE se apresentará pela segunda vez no festival, depois de uma performance muito celebrada em 2012.

MERIJE é ativista cultural e criador multimídia envolvido com projetos ligados à música, literatura, cinema/vídeo, fotografia, dança, teatro e educação. Sua arte é conhecida como “suprasensorial”. Tem trabalhos apresentados em vários países e alguns prêmios na bagagem.

http://festivalvisualbrasil.com/
http://festivalvisualbrasil.com/ediciones/merije

OUÇA: www.merije.com.br/blog/som

Horário: Sexta-feira: 18hs até as 01h
Horário sábado: 18hs até as 02 hs

ENTRADA LIVRE / FREE ENTRANCE

 

 

 

 

 

 

Ecologia de Saberes – Boaventura de Sousa Santos e Wagner Merije


26 mai

Encontro histórico e memorável do poeta e escritor Wagner Merije com o sociólogo e poeta Boaventura de Sousa Santos em Coimbra (25/05/2018), por ocasião do encerramento do ciclo de Aulas Magistrais na FEUC.

Foi no Restaurante O Casarão, em Santa Clara, em momento de trocas de ideias e de livros, confidências, afagos, poesia, cantoria e boa comida.

Wagner Merije participou também do encerramento da Aula Magistral em uma intervenção artística coletiva.

Na sexta-feira, 25/05/2018, vencemos mais um desafio na união entre a arte e a academia. Pegamos o resumo de todas as aulas do Boaventura de Sousa Santos e transformamos em uma intervenção poética coletiva.

Com Carlos Guerra Junior, Wagner Merije, Deniza Machado, Aristeo, Simone Marins, Ligia Bugelli, Carlos Henrique Piedade, Emiliana Neto, Pamela

Local: Faculdade de Economia (FEUC), Universidade de Coimbra, Portugal

 

Carlos:

Acalmem-se!

Os artistas pós-abissais chegarão!

E virão todos vestidos… De narrativas… de emancipação

 

Merije:

Nós já estamos aqui, somos todos nós

Mas precisamos nos despir

Do colonialismo, do capitalismo, do hetero patriarcado

Vestir novas linguagens

Descobrir (e assumir) que podemos fazer de uma sala de aula, uma zona libertada…

 

Deniza:

Pode a sala de aula, ser uma zona libertada?

Vai misturar conhecimento científico com cultura?

Isso é mais uma loucura do Boaventura

Que acha que tudo é campo de luta contra ditadura…

 

Aristeo

Calma! Afastem-se!

Não atirem contra o otimista trágico!

Não tenham medo!

Um outro mundo é possível, sim!

O nosso medo de mudanças radicais

É que tem sido o maior alimento da globalização hegemônica

Cada espaço que não ocupamos, o neoliberalismo ocupa

Precisamos nos alimentar com mais esperança e menos medo

E criar outra globalização

 

Simone:

É, mas vamos lutar de forma articulada

Se os opressores estão todos unidos

Nada de nos fragmentar

Toda luta feminista tem que ser anti-racista e anti-capitalista

Nem as contradições de qualquer luta podem ser motivo de nos separar

As contradições são do sistema. As resistências também serão contraditórias, vamos aprender a cada dia

 

Lígia:

Vamos diminuir as fronteiras, parceira!

Nos aproximar, encontrar os pontos de congruência

Descobrir em meios as ausências, um paraíso de competências

Vamos criar transformações radicais na nossa forma de sociabilidade

Emancipar, vencer barreiras e preconceitos

Pois assim, temos espaços para criatividade e novas subjetividades

 

Carlos Henrique:

Escuta!

Conhecimento se dá na luta! Não com verdade absoluta

Vamos transformar o pobre em rei e não deixar que ninguém esteja abaixo de lei

Lula Livre!

Direito pra todo mundo: Mulheres, negros, indígenas ou gay

 

Emiliana:

Vamos.. vencer a linha abissal e o fascismo social

Vamos.. caminhar para a cidade pós-abissal

Vamos.. valorizar a criatividade local

Vamos… incluir o rap, teatro do oprimido e sarau

Vamos… descolonizar o pensamento em Portugal

 

Pamela:

Quando aumentamos nosso poder de percepção pro sensível

Aprendemos a cada dia que…

 

Todos: Um outro mundo é possível!

 

 

Texto compilado por Carlos Guerra Junior

Penas, Fluidos e Bisturis, livro multimedia coletivo


08 jan

Penas Fluídos e Bisturis

 

No dia 16 de janeiro de 2018 o espaço literário mais icônico da avenida Paulista, a Casa das Rosas, recebe o lançamento do livro Penas, Fluidos e Bisturis, organizado por Rogerio Bessa Gonçalves e realizado em co-autoria com Daniel Arruda, Gabriel Stroka Ceballos, Leo Mackellene, Luís Fernando Pereira, Marcos Maia, Pedro Hutsch Balboni, R. M. Trevisan, Renato Zapata, Ricardo Kelmer, Tati Filinto, Thiago Romaro e Wagner Merije.

“Da imagem ao texto e não o seu contrário. Esse foi o convite do artista plástico Rogerio Bessa Gonçalves a doze autores. Treze imagens, mais uma, resultaram num livro-diálogo entre áreas acostumadas, dentro do universo literário, com o movimento inverso: ilustração pensada a partir da palavra escrita. Aqui, os autores produziram contos e poesias inspirados nos trabalhos com técnica de carvão, aguada de café e aquarela.”

Wagner Merije participa com os contos “Cão de guerra” e “O dia em que Patricia fez uma revelação”.

Uma realização do Coletivo Supernova.

Preço do livro: R$ 35,00
(serão aceitos cartões de débito e crédito das bandeiras Visa, Mastercard e Elo)

As ilustrações emolduradas estarão à venda por R$ 350,00 acompanhadas de um exemplar do livro.

Esperamos todos por lá!!

Belo Horizonte na literatura do seu passado


08 dez
Captura de tela 2018-01-22 às 13.43.46
Letícia Malard é professora emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Entre seus livros destacam-se Literatura e dissidência política (ensaios) e Divina dama (romance).
 
No artigo “Belo Horizonte na literatura do seu passado” ela cita um poema de Wagner Merije (Poema para Belo Horizonte, do livro Viagem a Minas Gerais, de 2013) E na companhia deste poeta menor estão nomes de grande valor,Belo Horizonte na literatura do seu passado – Caderno Pensar do Jornal Estado de Minas como Pedro Nava, Avelino Fóscolo, Carlos Drummond de Andrade, Henriqueta Lisboa, Cely Vilhena, Ardel Delly, Cyro dos Anjos, Eduardo Frieiro, Fernando Sabino, Rui Mourão.
 
4. Janelas da memória
Pedro Nava (1903-1984) publica em 1979 Beira-mar, memórias de sua época belo-horizontina. Muitos estranham o título, pois não temos mar. No entanto, é o poeta Wagner Merije que bem interpreta a questão, no Poema para Belo Horizonte, do livro Viagem a Minas Gerais (2013):“Não temosE a falta nos faz muita faltaComo o mar!Oh palavra mágica e irmã do horizonte!!!”

 Vale a pena a leitura, é um primor.
 

Utopias e transformações


01 nov

Pelas utopias e transformações possíveis
pela desordem e pelo caos o novo virá

Brasil, mundo, reflitamos! Por esse caminho vamos chegar bem perto do fundo do poço… É preciso repensar a direção da humaninade…
Reflexões que acompanham esse trabalho que vos apresento (novamente) a seguir, uma parceira de Wagner Merije, Fábio Crânio e George Neri.

 

A sociedade na encruzilhada tem dificuldade de saber para onde seguir. A natureza se rebela. A política apodrece. Novas tecnologias surgem e revolucionam a comunicação. É hora de promover a transição de um ser receptor passivo de conteúdos para um produtor de conhecimento. Hardware. Software. PEOPLEWARE.

4º Musicvideo do/from album “Peopleware”
Roteiro e Direção/Screenplay & Direction: Merije
Montagem e finalização/Editing: George Neri
Grafittis & images: Crânio

Letra/Lyrics:

Quem é que fala pelos independentes?
Quem é que representa as minorias?
Quem é que resolve pela gente?
Pra deixar tanta gente de mãos vazias?

Quem é que fala pelos que não têm um puto?
Quem é que festeja o Produto Interno Bruto?
Quem é que acredita e se articula?
Quem é que investe em educação e cultura?

Tem gente que empreende
Tem gente que surpreende
Tem gente que está passos à frente
E não se rende!

Tem gente que faz diferença
Tem gente que usa a intuição
Tem gente que inventa
Tem gente que é evolução

Se você não está dando o melhor de si neste mundo,
Para que mundo está se guardando?

PEOPLEWARE
EN CADA BARRÍO REVOLUCION

Quem somos se não somos úteis para os outros?
Quem somos, se somamos tão pouco?
Quem é que fomos, se sonhamos como loucos?
Quem somos se não somos importantes para o outro?

Quem é que fala pelos independentes?
Quem é que representa as minorias?
Quem é que resolve pela gente?
Pra deixar tanta gente de mãos vazias?

Tem gente que faz diferença
Tem gente que usa a intuição
Tem gente que inventa
Tem gente que é evolução

Se você não está dando o melhor de si neste mundo,
Para que mundo está se guardando?

PEOPLEWARE
EN CADA BARRÍO REVOLUCION

Quem somos se não somos úteis para os outros?
Quem somos, se somamos tão pouco?
Quem é que fomos, se sonhamos como loucos?
Quem somos se não somos importantes para o outro?

PEOPLEWARE, PEOPLEWARE
EN CADA BARRÍO REVOLUCION

A mandinga de bons sons, Merije no Bamba Jam


04 out

A mandinga de bons sons
De segunda a sexta-feira, Jai Mahal apresenta o Bamba Jam, programa com linguagem única e seleção musical diversificada, misturando o samba, o funk, o reggae, o rock, os ritmos que formam a miscelânea da música brasileira.
Ao vivo na Rádio Cultura AM 1200
Além da programação musical, todas as quartas-feiras Mahal convida artistas de diferentes linguagens musicais para falar um pouco de suas carreiras, influências, divulgar um novo trabalho e ainda escolher as músicas do programa.
Neste programa o convidado é o multimídia, suprasensorial, criador eclético e bamba Wagner Merije, que apresenta composições próprias, faixas que criou e produziu para outros artistas (como Raul de Souza, Marku Ribas, entre outros), fala de seus lançamentos (CDs, DVDs, livros), recita poemas e analisa a cena cultural brasileira.
O programa já contou com a presença de outros grandes artistas como Claudio Zoli, Falcão, Osvaldinho da Cuíca, Germano Mathias, Anelis Assumpção, O Terno, Cachorro Grande, O Teatro Mágico, Bocato, André Christovam, Matoli (Clube do Balanço), Max B.O., Duofel, Rafael Castro e muitos outros.

Sobre o apresentador:
O músico e radialista Jai Mahal, um dos responsáveis por trazer o reggae para o Brasil, começou sua carreira radiofônica apresentando o programa Reggae Raiz, com China Kane, na Rádio Brasil 2000 nos anos 1980.
Em 2005, Mahal chegou à Rádio Cultura Brasil e desde então apresenta os programas Bamba Jam e Reggae de Bamba.
Paralelamente a seu trabalho de radialista, o músico está à frente da banda de reggae Jai Mahal e Os Pacíficos da Ilha. Em 2014, lançou seu segundo álbum autoral, Invísivelman, produção de Gerson da Conceição e Mahal, com as participações especiais de artistas como Arnaldo Antunes, Lúcio Maia, Osvaldinho da Cuíca, Isaar e Luciana Simões.

Ficha:
De segunda a sexta, às 18h
Apresentação: Jai Mahal
Produção: Vinicius Calixto

Merije em La Garçonnière


17 set

O poeta Wagner Merije participou do evento La Garçonnière apresentando seus poemas.
Foi no dia 16/09/2017, no Estúdio Lâmina, no centro de São Paulo.

 Wagner Merije_La Garçonnière_16:09:2017_Estúdio Lâmina1
Wagner Merije_La Garçonnière_16:09:2017_Estúdio Lâmina2
História
1917:
Rua Líbero Badaró, 67, no 3º andar, sala 2: endereço onde Oswald de Andrade (1890-1954) manteve, entre 1917 e 1918, no Centro de São Paulo sua Garçonière (quase 100 anos depois de alterações, o número atual é 452). Com algumas telas de Di Cavalcanti e Anita Malfatti nas paredes, o espaço era ponto de encontro entre seus amigos e sua amante, Maria de Lourdes Pontes, uma estudante de 16 anos, do Colégio Caetano de Campos, chamada por Oswald de Miss Cyclone. O fato de ir sozinha à Garçonière regularmente, sendo uma adolescente, fascinava os que mais frequentavam aquela Garçonière: Mário de Andrade, Guilherme de Almeida, Ribeiro Couto, Di Cavalcanti, Monteiro Lobato, Menotti del Picchia, entre outros. No “covil da rua Líbero” (como a Garçonière era chamada pelo autor de Memórias Sentimentais de João Miramar), entre muita discussão, brigas, amores e manuscritos pelo chão, ao som de uma Grafonola Columbia e poucos discos, aconteceu o grande ensaio do que seria a Semana de Arte Moderna de 1922. Parte do que fizeram foi contado num livro de registro de impressões: O Perfeito Cozinheiro das Almas deste Mundo, batizado por Pedro Rodrigues de Almeida, um dos habitués. Relatório de surrealidades, o livro-caixa-de-surpresas (apelidado anos depois por Haroldo de Campos), totalizou 203 páginas preenchidas com ditos e desditos, trocadilhos, piadas, desenhos, recortes, caricaturas, poemas, quase-poemas e uma “troca de correspondências” entre os frequentadores da Garçonière, que usavam apelidos: Oswald era Garoa e Miramar; Deisi era Miss Cyclone, Miss Tufão, Miss Terremoto, Tufãozinho ou Gracia Lohe; Pedro Rodrigues de Almeida era João de Barros); Monteiro Lobato era Frei Lupus Ancilóstomo, Conselheiro Acácio, Chico das Moças, Lobe, Rowita, Constante Leitor, Cuscus, Tutu Lambari e Zé Catarro; Menotti del Picchia era Paulo; o poeta Guilherme de Almeida era Guy e o desenhista Ignácio da Costa Ferreira era Ferrignac, Ventania e Jeroly. Os frequentadores do retiro oswaldiano anteciparam a era modernista, inaugurado naquele livro-objeto, “o cardápio perfeito para o banquete da vida”, como escreveu Guilherme de Almeida. A Garçonière não existiria sem o livro de registro, assim como não existiria sem Oswald. Nas folhas do livro-caixa-objeto, Oswald compôs o primeiro esboço do seu romance “Memórias Sentimentais de João Miramar”, publicado em 1924, a mais experimental obra da literatura modernista. Como todos os transformadores, Oswald de Andrade fundiu vivência e obra na experiência literária: arte & fraternidade. A grande obra é vida.

2016:
Avenida São João, 108, quarto andar, esquina com a Rua Líbero Badaró, num prédio muito parecido ao da Garçonière oswaldiana, o Escultor Social e Curador Luciano CortaRuas e o Editor e Poeta Vanderley Mendonça inauguraram uma Garçonière (exatos cem anos depois da inauguração do Cabaret Voltaire, em Zurique) e apenas a cem metros de onde funcionou a de Oswald de Andrade, entre 1917 e 1918.
A Garçonière do século XXI, que tem um leve tempero Dadá, abriga amigos, poetas, escritores, artistas e convidados numa das salas do Estúdio Lâmina (galeria e ateliê que reúne artistas residentes de várias partes do Brasil e estrangeiros). Com o mesmo espírito modernista de paradoxo, fraternidade, arte & vida, os organizadores abrem as portas ao público uma vez por mês.

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

LA GARÇONIÈRE, 13a. edição.
Curadoria de Luciano CortaRuas e Vanderley Mendonça

ARS POETICA
Claudio Willer
Wagner Merije
Jessyca Pacheco
Cide Piquet
Grace Kelli Perreira
Elisa Andrade Buzzo
Vanderley Mendonça
Luciano CortaRuasMÚSICA :
ABC LoveLIVROS:
Ed. Editora Benfazeja:
Gravuras Japonesas/Japanese Prints, de John Gould Fletcher (tradução Anderson Lucarezi e Lucas Zaparolli de Agustini,Selo Demônio Negro:
* Cântico de Orge, de Bertolt Brecht (Trad. Matheus Guménin Barreto)
*Dito ao Anoitecer, de Ingeborg Bachmann (Trad. Matheus Guménin Barreto)

======================

Sábado, 16 de setembro, das 20 h às 24 h
Estúdio Lâmina
Avenida São João, 108 – 4o. andar – São Paulo, SP
(Esq. Rua Líbero Badaró)
Entrada: R$ 15,00

Fotos: Grace Kelli Pereira

Wagner Merije no Via Sampa da USP FM duas vezes em agosto


28 ago

Em agosto Wagner Merije foi convidado da Rádio USP em duas ocasiões.
No programa “Via Sampa” do dia 03/08/2017 (quinta-feira) a pauta englobou jornalismo cultural, literatura, arte, política, educação e o livro novo “Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres”

A pedido dos ouvintes e convite do apresentador Mário Sant e da produtora Heloisa Granito, Merije voltou para participar do programa “Via Sampa no Estúdio”, no dia 28/08/2017, segunda-feira, programa maior, com duração de 60 minutos, com ênfase nas criações musicais, com execução de várias músicas de Merije e seus parceiros.

Sintoniza lá 93,7 USP FM

VIA SAMPA

Lançamentos, artes, espetáculos, cinema, teatro, dança, música, livros, dicas de passeios e o universo cultural infantil estão entre os assuntos do VIA SAMPA que traz uma agenda completa com o melhor da programação cultural da cidade.

Veiculado de segunda à sexta-feira, do meio-dia à uma da tarde, o programa mantém o público antenado sobre as diversas tendências do mundo das artes através de informações e música da melhor qualidade.

Apresentação: Mário Sant, Produção: Heloisa Granito, Mesa de Som: Bene Ribeiro, Portal/Site: Rita de Cássia C. Castro – E-mail: helogran@usp.br

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 12h