Merije en Barcelona_Festival Visual Brasil

01 set

Visual Brasil 2018_cartaz

El Festival VISUAL BRASIL realizará su 16 edición los días 28 y 29 de septiembre de 2018 en el Punt Multimedia, centro dinamizador de proyectos multimedia y tecnologías digitales, situado en la Casa del Mig del Parc de la Espanya Industrial de Barcelona.

En esta ocasión celebramos juntos con artistas locales e internacionales un encuentro de investigación en el campo del audiovisual contemporáneo: videoarte, mapping, performances audiovisuales, instalaciones y nuevas medias. Una actividad que se enfoca en la producción de vídeo en tiempo real, la cultura de creación libre y nuevos formatos colaborativos.

MERIJE es uno de los invitados de la parte musical se presentará por segunda vez en el festival, después de una actuación muy celebrada en 2012.

MERIJE es activista cultural y creador multimedia involucrado con proyectos ligados a la música, literatura, cine / vídeo, fotografía, danza, teatro y educación. Su arte es conocida como “suprasensorial”. Tiene trabajos presentados en varios países y algunos premios en el equipaje.

OIGA/LISTEN: www.merije.com.br/blog/som

 

Visual Brasil 2018_pagina Merije

 

HORARIO VIERNES: 18HS HASTA LAS 01:00HS
HORARIO SÁBADO: 18HS HASTA LAS 02:00HS

ENTRADA LIVRE / FREE ENTRANCE

http://festivalvisualbrasil.com/
http://festivalvisualbrasil.com/ediciones/merije

 
O Festival visual Brasil realizará sua 16ª edição nos dias 28 e 29 de setembro de 2018 no ponto multimídia, centro dinamizador de projetos multimídia e tecnologias digitais, localizado na Casa del Mig do Parc de La Espanya Industrial de Barcelona.
Nesta ocasião comemoramos juntos com artistas locais e internacionais um encontro de pesquisa no campo do audiovisual contemporâneo: Videoarte, mapping, performances audiovisuais, instalações e novas meias. Uma atividade que se foca na produção de vídeo em tempo real, a cultura de criação livre e novos formatos colaboração.

MERIJE é um dos convidados da parte musical e se apresentará pela segunda vez no festival, depois de uma performance muito celebrada em 2012.

MERIJE é ativista cultural e criador multimídia envolvido com projetos ligados à música, literatura, cinema/vídeo, fotografia, dança, teatro e educação. Sua arte é conhecida como “suprasensorial”. Tem trabalhos apresentados em vários países e alguns prêmios na bagagem.

OUÇA: www.merije.com.br/blog/som

Horário: Sexta-feira: 18hs até as 01h
Horário sábado: 18hs até as 02 hs

ENTRADA LIVRE / FREE ENTRANCE

http://festivalvisualbrasil.com/
http://festivalvisualbrasil.com/ediciones/merije

 

 

 

 

 

Gigante O coração do trombone_ Giant The heart of the trombone

23 ago

Gigante
O coração do trombone

Ele é grande. Ou melhor, Gigante!
O apelido de juventude ainda cabe muito bem a ele, embaixador da música, coração do trombone, uma lenda viva da música em todas as suas instâncias.
Ele é brasileiro, ele é do mundo, ele é patrimônio mundial da humanidade. Vamos reconhecer!
Sua musicalidade é excepcional, sua criatividade singular, sua batalha imensa e intensa, sua vida dá um filme.
Premiado e reconhecido em todo o mundo, ainda falta muito para o Brasil acordar e valorizar de fato seus talentos.
Mas ele segue, sempre em frente, firme, como um cavaleiro a partilhar música e cura, amor e generosidade, alegria e gentileza.
E eu sou amigo dele.
Em 2007 nos conhecemos em Pinheiros, São Paulo, Brasil, na casa do Marku Ribas, com quem eu trabalhava na época, e a empatia nossa foi imediata, da mesma forma com sua companheira e parceira Yolaine.
Desde então estamos sempre juntos, lado a lado, nas batalhas e nas comemorações, na criação e na produção, trazendo ao mundo música da melhor qualidade.
Hoje o meu amigo celebra um novo ano, o Gigante é jovem, 8.4.
Mas nem parece, jovial e sempre atento que nem ele, e com muita energia e ideias para nos brindar.
Que sua luz esteja sempre a brilhar! E estará!
Nós, todos que amamos música, te amamos, te amaremos sempre!
Grato por me dar a oportunidade de trabalhar com você, de criar com você e de realizar projetos tão bacanas como “Bossa Eterna” (Biscoito Fino, 2008 – Melhor disco nos 50 anos da Bossa Nova); “O Universo Musical de Raul de Souza” (DVD) + Voilá (CD) (Selo Sesc, 2012 – Prêmio da Música Brasileira 2013).
E vem novidades por aí!!!!!

Do seu admirador, amigo e diretor artístico, Wagner Merije

Saiba mais em www.rauldesouza.net

Giant
The heart of the trombone

He’s big. Or rather, Giant!
The nickname of youth still fits him well, ambassador of music, heart of the trombone, a living legend of music in all its instances.
He is Brazilian, he is of the world, he is world heritage of humanity. Let’s recognize!
His musicality is exceptional, his creativity’s singular, his battle immense and intense, his life gives a film.
Awarded and recognized all over the world, it is still a long way from Brazil to wake up and really appreciate its talents.
But he goes on, ever forward, steady, like a knight sharing music and healing, love and generosity, joy and gentleness.
And I’m his friend.
In 2007 we met in Pinheiros, São Paulo, Brazil, at the home of Marku Ribas, with whom I worked at the time, and our empathy was immediate, in the same way with his wife and partner Yolaine.
Since then we have been together, side by side, in battles and celebrations, in creation and production, bringing to the world music of the best quality.
Today my friend celebrates a new year, the Giant is Young, 8.4.
But he does not seem, jovial and always attentive that neither he, and with much energy and ideas to give us.
May your light always shine! And it will be!
We all who love music, we love you, we will always love you!
Thank you for giving me the opportunity to work with you, to create with you and to realize such cool projects as “Bossa Eterna” (Biscoito Fino, 2008 – Best album in the 50 years of Bossa Nova); “The Musical Universe of Raul de Souza” (DVD) + Voilá (CD) (Selo Sesc, 2012 – Brazilian Music Award 2013).
And there are some news out there !!!!!

From his admirer, friend and artistic director, Wagner Merije

Know more at www.rauldesouza.net

FestiPop 2018_Merije en France

18 ago

Festipop 2018_Urgence refugies

Festipop 2018

 

FestiPop est heureux de vous présenter sa 15ème édition.
Rendez vous aux arènes de Frontignan le 7 et 8 septembre 2018 avec 5 sound system !
AfteR aLL sOund SysteM Association Travel Sounds Dawa Hifi Imperial Mighty Sound Ragga Youth Posse

Parmi les invités spéciaux de cette édition se trouve le “Brazilian Suprasensorial Universal” MERIJE.

MERIJE se produit pour la première fois sur FestiPop et prépare des sets spécialement pour le festival, appelés Tropical Sumo I, II, III

DJ-producteur brésilien, Merije fait ses premières expérimentations sonores à Londres, en pleine effervescence Jungle, Drum’ n’ bass, Big Beats, influencé par la culture noire de Brixton où il vit entre 1996 et 97. En 2003, il crée le groupe Coletivo Universal qui s’impose sur la scène musique actuelle brésilienne avec un son métissé et supra-sensoriel. Merije vient nous faire danser comme on boirait un bon jus frais, naturel et survitaminé! Du jus tropical!

Regarde ça : www.merije.com.br/blog/som

FestiPop a lieu à Frontignan, une ville française située dans la région Occitanie. On l’appelle le port de la mer Méditerranée.

▮ ▮ Liens Utiles ▮ ▮
▮ Site Festipop : https://bit.ly/1AjqNNh
▮ Lien Événement : https://bit.ly/2LNkw7N
▮ Lien Prévente : https://bit.ly/2KnwEH4
FestiPop_Merije_Chill Out

 

 

FestipPop tem o prazer de apresentar a sua 15 ª Edição.
Entregue-se às arenas de Frontignan no dia 7 e 8 de setembro de 2018 com 5 Sound System!
After ALL SOUND SYSTEM Association Travel Sounds Dawa Hifi Imperial Mighty Sound Ragga Youth Posse

Entre os convidados especiais dessa edição está o “Brasileiro Universal Suprasensorial” MERIJE.

MERIJE se apresenta pela primeira vez no FestiPop e prepara sets especialmente para o festival, batizados de Sumo Tropical I, II, III

DJ e produtor brasileiro, Merije faz suas primeiras experimentações sonoras em Londres, em plena efervescência do Jungle, Drum ‘n’ bass, Big Beats, e sob a influência da cultura negra de Brixton, onde Merije morou entre 1996 e 97. Em 2003, cria o grupo Coletivo Universal, que se impoe na cena da musica atual brasileira com um som mestiço e suprasensorial. Merije vem pra gente dançar, como tomar um sumo bem fresco, natural e supervitaminado! Sumo Tropical!

Confira: www.merije.com.br/blog/som

FestiPop acontece em Frontignan, uma cidade francesa localizada na Região de Occitânia. É chamada porta para o mar do Mediterrâneo.
▮ ▮ links úteis ▮ ▮
▮ site festipop: https://bit.ly/1AjqNNh
▮ LINK EVENTO: https://bit.ly/2LNkw7N
▮ link pré-Venda: https://bit.ly/2KnwEH4

 

 

 

 

 

 

 

 

Song of myself

02 ago

CANÇÃO DE MIM MESMO

EU CELEBRO a mim mesmo,
E o que eu assumo você vai assumir,
Pois cada átomo que pertence a mim pertence a
[ você.

Vadio e convido minha alma,
Me deito e vadio à vontade …. observando uma
[ lâmina de grama do verão.

Casas e quartos se enchem de perfumes …. as
[ estantes estão entulhadas de perfumes,
Respiro o aroma eu mesmo, e gosto e o
[ reconheço,
Sua destilação poderia me intoxicar também,
[ mas não deixo.

A atmosfera não é nenhum perfume …. não tem
[ gosto de destilação …. é inodoro,
É pra minha boca apenas e pra sempre …. estou
[ apaixonado por ela,
Vou até a margem junto à mata sem disfarces e
[ pelado,
Louco pra que ela faça contato comigo.

A fumaça de minha própria respiração,
Ecos, ondulações, zunzuns e sussurros …. raiz
[ de amaranto, fio de seda, forquilha e videira,
Minha respiração minha inspiração …. a batida
[ do meu coração …. passagem de sangue e
[ ar por meus pulmões,
O aroma das folhas verdes e das folhas secas,
[ da praia e das rochas marinhas de cores
[ escuras, e do feno na tulha,
O som das palavras bafejadas por minha voz ….
[ palavras disparadas nos redemoinhos do
[ vento,
Uns beijos de leve …. alguns agarros …. o
[ afago dos braços,
Jogo de luz e sombra nas árvores enquanto
[ oscilam seus galhos sutis,
Delícia de estar só ou no agito das ruas, ou pelos
[ campos e encostas de colina,
Sensação de bem-estar …. apito do meio-dia
[ …. a canção de mim mesmo se erguendo
[ da cama e cruzando com o sol.

SONG OF MYSELF

I CELEBRATE myself;
And what I assume you shall assume;
For every atom belonging to me, as good belongs
[ to you.

I loafe and invite my Soul;
I lean and loafe at my ease, observing a spear
[ of summer grass.

Houses and rooms are full of perfumes—the
[ shelves are crowded with perfumes;
I breathe the fragrance myself, and know it and
[ like it;
The distillation would intoxicate me also, but I
[ shall not let it.

The atmosphere is not a perfume—it has no taste
[ of the distillation—it is odorless;
It is for my mouth forever—I am in love with it;
I will go to the bank by the wood, and become
[ undisguised and naked;
I am mad for it to be in contact with me.

The smoke of my own breath;
Echoes, ripples, buzz’d whispers, love-root,
[ silk-thread, crotch and vine;
My respiration and inspiration, the beating of my
[ heart, the passing of blood and air through
[ my lungs;
The sniff of green leaves and dry leaves, and of
[ the shore, and dark-color’d sea-rocks,
[ and of hay in the barn;
The sound of the belch’d words of my voice,
[ words loos’d to the eddies of the wind;
A few light kisses, a few embraces, a reaching
[ around of arms;
The play of shine and shade on the trees as the
[ supple boughs wag;
The delight alone, or in the rush of the streets,
[ or along the fields and hill-sides;
The feeling of health, the full-noon trill,
[ the song of me rising from bed and
[ meeting the sun.

Walt Whitman
Folhas de Relva (Leaves of Grass)

Ecologia de Saberes – Boaventura de Sousa Santos e Wagner Merije

26 mai

Encontro histórico e memorável do poeta e escritor Wagner Merije com o sociólogo e poeta Boaventura de Sousa Santos em Coimbra (25/05/2018), por ocasião do encerramento do ciclo de Aulas Magistrais na FEUC.

Foi no Restaurante O Casarão, em Santa Clara, em momento de trocas de ideias e de livros, confidências, afagos, poesia, cantoria e boa comida.

Wagner Merije participou também do encerramento da Aula Magistral em uma intervenção artística coletiva.

Na sexta-feira, 25/05/2018, vencemos mais um desafio na união entre a arte e a academia. Pegamos o resumo de todas as aulas do Boaventura de Sousa Santos e transformamos em uma intervenção poética coletiva.

Com Carlos Guerra Junior, Wagner Merije, Deniza Machado, Aristeo, Simone Marins, Ligia Bugelli, Carlos Henrique Piedade, Emiliana Neto, Pamela

Local: Faculdade de Economia (FEUC), Universidade de Coimbra, Portugal

 

Carlos:

Acalmem-se!

Os artistas pós-abissais chegarão!

E virão todos vestidos… De narrativas… de emancipação

 

Merije:

Nós já estamos aqui, somos todos nós

Mas precisamos nos despir

Do colonialismo, do capitalismo, do hetero patriarcado

Vestir novas linguagens

Descobrir (e assumir) que podemos fazer de uma sala de aula, uma zona libertada…

 

Deniza:

Pode a sala de aula, ser uma zona libertada?

Vai misturar conhecimento científico com cultura?

Isso é mais uma loucura do Boaventura

Que acha que tudo é campo de luta contra ditadura…

 

Aristeo

Calma! Afastem-se!

Não atirem contra o otimista trágico!

Não tenham medo!

Um outro mundo é possível, sim!

O nosso medo de mudanças radicais

É que tem sido o maior alimento da globalização hegemônica

Cada espaço que não ocupamos, o neoliberalismo ocupa

Precisamos nos alimentar com mais esperança e menos medo

E criar outra globalização

 

Simone:

É, mas vamos lutar de forma articulada

Se os opressores estão todos unidos

Nada de nos fragmentar

Toda luta feminista tem que ser anti-racista e anti-capitalista

Nem as contradições de qualquer luta podem ser motivo de nos separar

As contradições são do sistema. As resistências também serão contraditórias, vamos aprender a cada dia

 

Lígia:

Vamos diminuir as fronteiras, parceira!

Nos aproximar, encontrar os pontos de congruência

Descobrir em meios as ausências, um paraíso de competências

Vamos criar transformações radicais na nossa forma de sociabilidade

Emancipar, vencer barreiras e preconceitos

Pois assim, temos espaços para criatividade e novas subjetividades

 

Carlos Henrique:

Escuta!

Conhecimento se dá na luta! Não com verdade absoluta

Vamos transformar o pobre em rei e não deixar que ninguém esteja abaixo de lei

Lula Livre!

Direito pra todo mundo: Mulheres, negros, indígenas ou gay

 

Emiliana:

Vamos.. vencer a linha abissal e o fascismo social

Vamos.. caminhar para a cidade pós-abissal

Vamos.. valorizar a criatividade local

Vamos… incluir o rap, teatro do oprimido e sarau

Vamos… descolonizar o pensamento em Portugal

 

Pamela:

Quando aumentamos nosso poder de percepção pro sensível

Aprendemos a cada dia que…

 

Todos: Um outro mundo é possível!

 

 

Texto compilado por Carlos Guerra Junior

Poesia em Comemoração ao Derrube do Fascismo

25 abr

No dia 25 de abril de 2018, data que em Portugal se comemora o Derrube do Fascismo, Wagner Merije foi um dos convidados do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, para falar poemas que dialogassem com o tema.
O poeta Wagner Merije apresentou alguns textos de seu primeiro livro, “Turnê do Encantamento”, que em 2018 completa 10 anos de publicação.

Poesia_250418_CAPC

Programação:
Dj Set de Diogo Simões
Leitura de Poemas por Wagner Merije, Pedro Vaz e Rita Gomes
Performance sonora de Frederico Nunes e Gonçalo Parreirão, com participação especial de Wagner Merije

Não vejo a hora de reencontrar quem em mim já morou

25 abr

Não vejo a hora de reencontrar quem em mim
Não vejo a hora de reencontrar quem em mim já morou
esse desejo vai mover vai voltar o tempo vai inebriar meus pensamentos
não vejo a hora de reencontrar quem em mim deixou sentimentos
aromas lembranças e um desejo que move esperança

Vejo a hora do reencontro na próxima estação braços prontos
vou me sentir perto do pleno sentimento de todo mundo
tocando o barco vendo passar os navios do mundo

Pensando acreditar eu reencontro quem em mim já morou

… …

(Um poema de Wagner Merije, 22/06/02, publicado no livro “Turnê do Encantamento”, de 2008)

Pequena Casa de Lembranças, de Wagner Merije, na TV UC

24 mar

Foi ao arrumar a mala de sua filha para a escola que o artista e estudante de doutoramento da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), Wagner Merije, teve a ideia que o levaria a realizar uma instalação artística na Casa da Esquina e no Hospital Pediátrico de Coimbra. “A Pequena Casa de Lembranças surgiu no momento de tirar algumas coisas da mala e saber que outras ficariam para trás”. O autor da obra tomou como mote as mudanças que ocorrem na vida das crianças quando seus pais escolhem viver em outro país. “Comecei a pensar em como representar essa transição de quando as crianças têm que partir”, explica Wagner Merije.

Brinquedos, fotografias, desenhos, roupas e objetos pessoais compõem a estrutura da casa de memórias. “Muitas vezes não temos noção de que um pequeno objeto carrega uma carga enorme de sentimentos e histórias para as crianças”. Para Wagner Merije, elas são capazes de se identificarem com esses objetos e projetarem neles os amigos e parentes. O artista lembra de crianças que visitaram a exposição e atribuíram qualidades pessoais aos objetos. “Elas se colocam no lugar dos brinquedos” revela o autor.

Foram recrutados dois alunos de arquitetura da Universidade de Coimbra para participarem na criação do projeto. “O Wagner mostrou-nos várias ideias de casa e queria que o ajudássemos a construí-la com lugares para pôr brinquedos pendurados e repartições” conta o estudante de arquitetura, Joel Capitão.

Para Wagner Merije, a importância da obra passa também por atrair um público para o qual a produção artística é menos frequente. “Eu quis fazer um trabalho para crianças e convidá-las para refletirem comigo o que significam as memórias e as lembranças”.

O autor do projeto chama a atenção, contudo, da necessidade dos adultos também visitarem a instalação. Segundo ele, as questões abordadas na obra vão além dos sentimentos das crianças. Trata-se de discutir o lugar das crianças na academia e na sociedade, bem como atentar à saúde e aos cuidados infantis.

A Pequena Casa de Lembranças fica até dia 30 de março na Casa da Esquina e depois muda-se para o Hospital Pediátrico do dia 02 de abril até o dia 15 de abril.

Por Vittorio Aranha

Veja a matéria completa em http://noticias.uc.pt/multimedia/videos/memorias-e-historias-infantis-sob-e-sobre-telhado/

Balas e mártires

15 mar

Apesar disso tudo… (e apesar…)

É preciso lutar por dias melhores

Bendito e maldito tempo de combate

Cada ato contra a humanidade

Instiga os Mandelas, Marighelas, Chico Mendes,

os Ches e os Ghandis…que mobilizam as pessoas

O Deus em mim tem várias nacionalidades

Cada um lutando por sua comunidade

 

 

As vozes ora silenciadas vão se apresentar

Cada bala que parte, cada bala que parte

Me parte em mil mártires, me parte em mil mártires

 

Deus me livre, Tupac, Yuka, Neto, Marielle

Lennon, Sabotage e outros tantos

O Deus em mim tem várias nacionalidades

Cada um lutando por sua comunidade

Don’t give up your fight

 

 

Um poema de Wagner Merije em construção (2008-2018), em memória de tantos e de Marielle Franco

 

mariellefranco

 

Pequena Casa de Lembranças

03 mar

Pequena Casa de Lembranças_arte

 

Pequena Casa de Lembranças é uma representação da memória de várias crianças por meio de objetos (roupas, calçados, brinquedos, desenhos, fotografias etc) que revestem uma pequena casa de brinquedo. Uma evocação às lembranças deixadas para trás por crianças que mudam para países diferentes, como acontece com muitos filhos(as) de pesquisadores em Coimbra. Uma criação multimedia de Wagner Merije

 

Projeto selecionado para a 20ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra 2018

 

Locais, Datas e Horários de Visitação:

Casa da Esquina – Rua Aires de Campos, 06

De 14/03 a 30/03/2018

Visitas: De terça a sexta-feira, das 10h às 12h30 e das 14h30 às 18h30

Informações: 239 041 397

 

Hospital Pediátrico – R. Dr. Afonso Romão, 3030

De 02/04 a 15/04/2018

Visitas: Todos os dias, aberto 24 horas

Informações: 239 488 700

 

Processo de elaboração:

Pequena casa de lembranças é uma representação do universo infantil por meio da memória e das lembranças de crianças. Representadas por objetos pessoais (roupas, calçados, brinquedos, desenhos, fotografias e outros pertences) essas memórias e lembranças re-vestem uma pequena casa de brinquedo (de estilo Montessori). A casa e os objetos evocam casas e objetos deixados para trás por crianças que mudam de casa para cidades e países diferentes. Mundos muitas vezes apartados. E o que fica para trás tem sempre muito para contar.

Uma representação lúdica que procura trazer uma chama de vida para adultos e crianças, quer tenham passado por situação parecida ou não. Um reencontro com o passado, um chamado para o presente, um entrelaçamento de vidas e histórias para discutir a representação de memória, de casa, de pertencimento e de obsolescências emocionais e materiais. Uma síntese de três casas – casa-universo particular, casa-corpo, casa-mundo.

Em Coimbra, encontramos muitas crianças em trânsito com pais e parentes pesquisadores e moradores temporários, como a pequena Dora, filha do autor, de onde veio a inspiração.

Durante a elaboração do design e do croqui da cena, composta pela representação das memórias, das casas das diversas crianças e dos objetos referenciais da infância, as pesquisas nos levaram à uma representação de um “ambiente Montessoriano”, pelo qual temos identificação.

Representação no campo das proposições, pois nem todas as crianças vêm do mesmo ambiente, a diversidade é o comum no caso das crianças que aqui são evocadas. Mas a escolha do “estilo” da casa erguida para acolher as lembranças ora colhidas dialoga com a mensagem que a obra passa, da casa como espaço do conforto, da liberdade e das memórias. Das memórias como importantes e a serem preservadas.

Reflitamos: como ficam os corações dessas crianças nesses casos de mudanças? Carinho e atenção são extremamente necessários. A arte chama!

Sobre o Método Montessori:

Idealizadora do Método, Maria Montessori (1870 – 1952) nasceu em 31 de agosto de 1870 na cidade de Chieravale, na Itália. Primeira mulher a se formar em Medicina em seu país, logo se interessou pelos mecanismos de desenvolvimento do aprendizado infantil. Com ênfase no desenvolvimento infantil durante a primeira infância e com aplicação universal, o Método Montessori parte do princípio de que todas as crianças tem a capacidade de aprender através de um processo que deve ser desenvolvido espontaneamente a partir das experiências efetuadas no ambiente, que deve estar organizado para proporcionar a manifestação dos interesses naturais da criança, estimulando a capacidade de aprender fazendo e a experimentação da criança, respeitando fatores como tempo e ritmo, personalidade, liberdade e individualidade dos alunos.

Materiais:

– Roupas, Calçados, Brinquedos, Desenhos, Fotografias, Chupeta, Escova de dente, Boneca, animais de borracha, Bibe,

– Poliestireno azul, Cartolina Kraft, Cola, Linha de nylon, Ganchos de metal, Impressões fotográficas, alfinetes, tachinhas, tapete, cabides

Sobre o autor:

Wagner Rodrigues Araujo, mais conhecido como WAGNER MERIJE, é criador (poeta, escritor, jornalista, compositor, gestor cultural, curador, editor), envolvido com projetos multimídia ligados à educação, literatura, música, cinema/vídeo, fotografia e teatro. Não é por acaso que a sua arte é associada a essa interatividade com as tecnologias da comunicação e é conhecida como suprasensorial. Ao longo de sua carreira, Merije faz uso de diversas ferramentas, despertando a atenção e interesse de jovens e pessoas ligadas à educação, a arte e a tecnologia. Natural de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, tem trabalhos lançados no Brasil e no exterior. É doutorando em Literatura de Língua Portuguesa na Universidade de Coimbra/Portugal. Publicou os livros Mexidinho (2017), Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009), lançados em alguns dos principais eventos literários do Brasil. Sua escrita também está em antologias e em outras mídias. Compôs e interpretou músicas nos discos Coletivo Universal (2004), Peopleware (2009), Se você perder a voz (2011), Suprasensorial (2012), em filmes, séries e programas de TV. Tem criações nas fronteiras entre a arte digital, a videoarte e o videoclipe. Idealizou e coordena o projeto MVMob – Minha Vida Mobile. Fez a direção artística e curadoria de vários projetos no Brasil e em outros países. Recebeu os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Lei de Incentivo à Cultura de Minas Gerais (2007-2010), FazCultura Bahia (2010), Proac São Paulo (2010), Inovação Educativa Fundação Telefônica – OEI (2011), Prêmio da Música Brasileira (2013), 28º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético (2014). Mantém o site www.merije.com.br

 

Ficha Técnica:

Concepção e Criação: Wagner Merije

Organização: Universidade de Coimbra

Produção: Aquarela Brasileira

Colaborações: Roberta Scatolini, Dora M.S.A, Joel Capitão, Hugo Martins, Rômulo Garcias

Agradecimentos: Colaboradores, Casa da Esquina (Sandra Jorge, Filipa Alves), Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), Equipa do JISASUC, Hérica Jorge Pinheiro, Marcela Heraclio, Daniel Cruz, Salomé Marques, Luísa Lopes, Teresa Baptista e toda a Equipa da Semana Cultural da UC

 

Saiba mais:

www.uc.pt/semanacultural

www.aquarelabrasileira.com.br/pequena-casa-de-lembrancas

www.merije.com.br/blog/diario/pequena-casa-de-lembrancas

 

Contato: faleaquarela@gmail.com