Murilo Rubião alucina

05 jul

Em 2016 se comemora o Centenário de Murilo Eugênio Rubião, escritor mineiro que inaugurou o realismo fantástico no país e deixou como legado obra intensa e singular.

Centenário Murilo Rubião

A convite dos administradores do site do autor e da página no facebook, topei o desafio de dar um depoimento sobre sua obra.

Centenário Murilo Rubião_Merije

 

Para saber mais sobre o escritor e sua obra, acesse o site

 

FliS 2016, uma festa linda em Sabará

04 jul
A segunda edição da FLIS – Festa Literária de Sabará – foi um sucesso!
E mais: foi uma festa linda, com uma programação muito bacana, em uma cidade cheia de história e com um patrimônio arquitetônico que merece ser visitado e (re) descoberto nessa bela Minas Gerais.
O escritor Wagner Merije apresentou a palestra “Literatura e o Mundo digital” no dia 01/07/216, no Teatro Municipal, com mediação de Túlio Damascena, criador da Borrachalioteca e um dos organizadores da FliS.
Foi um belo encontro com educadores, estudantes, pesquisadores, profissionais do livro e amantes da leitura.
Nossos votos é que a FliS tenha vida longa e que o Brasil aproveite-a com muito gosto!
Confira algumas imagens:

Cidade em transe no Maranhão

02 jun

Dia 21/06/2016 teve lançamento do livro “Cidade em transe”, em São Luís, capital do Maranhão. Foi no Chico Discos, lugar incrível no Centro.

A repercussão na imprensa foi ótima: além de tv e rádio, os dois jornais principais da cidade deram página inteira para o escritor Wagner Merije.

Confira imagens do lançamento e de momentos bons no Maranhão, um estado cheio de riquezas naturais, muita cultura e povo acolhedor:

 

Sarau da Kombiblioteca

15 mai

Primeiro Sarau da Kombiblioteca, realizado na Vila Madalena em 14/05/16, na Rua Aspicuelta, em frente a O Chá.

Participaram Wagner Merije, José Santos, Jonas Worcman, David, Nilson  Hashizumi e vários outros passantes.

Fotos de Nilson Hashizumi

Poetas do Sarau Suburbano vol 4

01 mai

E ficou bonito e recheado de bons poetas o livro “Poetas do Sarau Suburbano vol 4″, organizado pelo Alessandro Buzo, escritor, proprietário da Livraria Suburbano Convicto, situada no bairro do Bixiga, em São Paulo, e um agitador cultural do bem.

O escritor Wagner Merije participa como poeta, assina o prefácio e faz a coordenação editoral para a Aquarela Brasileira livros.

Poetas do Sarau Suburbano vol 4_capa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os lançamentos vão começar. Participe!

Cartaz_lançamento_Boy_Poetas do Sarau Suburbano vol 4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cartaz_lançamento_Poetas do Sarau Suburbano vol 4

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia aqui o Prefácio

A riqueza e a diversidade do Brasil por meio da poesia

A poesia não é da Academia Brasileira de Letras nem da Biblioteca Nacional. A poesia não é da Câmara Brasileira do Livro nem das editoras. A poesia não é da imprensa nem é propriedade privada. A poesia, que está viva, muito viva, é de todo mundo. A literatura (e a poesia aí se inclui) é uma riqueza da coletividade e da humanidade.
Nas periferias e nos saraus, as poetas e os poetas, especialmente os que fogem ao padrão dos escritores tradicionais (em sua maioria, branco, homem, classe média ou alta) estão projetando a voz e batendo no peito com poesia da melhor qualidade. Além da qualidade lírica, estão cada dia melhores nos quesitos interpretação e performance.
O Sarau Suburbano, autêntico em seu nome, é orgulhoso de ser sarau democrático, semanal, onde os manos e as minas de todas as idades comandam e brilham; é ativo centro de troca de ideias; é escola de versos e de vida; é quilombo de resistência; é tudo isso e muito mais, dentro de um lugar sagrado como uma livraria. É bonito ver os poetas emocionando os freqüentadores assíduos e os visitantes casuais. A lírica é forte, verdadeira, se sente na pele e na alma.
Nesta antologia, já a quarta – e isso é motivo para comemorarmos – temos uma amostragem da poesia chapa quente, como diz o Buzo, que representa os suburbanos convictos. São poetas de vários lugares, bairros, cidades, estados e países – sim, porque nóis é internacional. Trabalhadores e criativos, cada um tem um corre diferente: tem educador, estudante, mestrando, rapper, sambista, biólogo, cientista social, interno da Fundação Casa, aposentado, atriz, ativista, instrutora de informática, cartunista, jornalista, desenvolvedor de games, artista plástico, benzedeira, mãe, pai, avó, avô, filho, filha. É vibrante, é a riqueza e a diversidade do Brasil que clama por e mais oportunidades para todos, especialmente para os jovens e crianças da periferia. E essas vozes, que representam milhares de outras, se erguem também por democracia e justiça. Porque sem isso, fica difícil viver.
O incrível dessa história é que tem muito para ser dito. Poderíamos conversar por dias a fio a respeito da agitação dos saraus, do fazer poético e da força transformadora da poesia, mas é hora de ler as poetas e os poetas do Sarau Suburbano.
Evoé! Ogunhê! Que este livro tenha uma linda jornada e que toque os corações de todos por aí.

                                                                                           Por Wagner Merije

Torpedos Literatura na ponta dos dedos_Sesc Bauru

30 abr

O escritor Wagner Merije realizou mais uma oficina “Torpedos – Literatura na ponta dos dedos”, desta vez no Sesc Bauru, entre os dias 26 e 29/04/2016.

Foi um encontro agradável com escritores, estudantes, estudiosos, educadores, aspirantes a artistas e muita gente boa. Talento, carisma e vontade de brilhar fazem a diferença.

Veja alguma imagens

 

Saiba mais: http://sescsp.org.br/programacao/90527_TORPEDOS+LITERATURA+NAS+PONTAS+DOS+DEDOS

 

Design Gráfico e Literatura_Sesc Bauru

29 abr

E no Sesc Bauru aconteceu mais um workshop “Design Gráfico e Literatura”, de 26 a 29/04/16, ministrado por Wagner Merije

Confira algumas imagens

Saiba mais: http://sescsp.org.br/programacao/90530_DESIGN+GRAFICO+E+LITERATURA                                                                                

Design Gráfico e Literatura: como o design se manifesta na literatura e quais histórias o design dos livros nos contam é um projeto de workshop que trabalha com os eixos de pesquisa, elaboração e compartilhamento de ideias novas.

Busca elucidar a importância e o impacto do design ao longo do tempo nos livros e na leitura, trazendo um histórico de projetos gráficos marcantes nos livros publicados no Brasil (principalmente), como também em publicações estrangeiras.


Público participante
Estudantes, Educadores, Escritores, Designers, outros interessados

Locais
Em escolas, na sala de aula, laboratórios de informática, centros culturais ou espaço de convivência

Carga horária
Dois encontros de três horas cada, totalizando seis horas.
Número de vagas
10 a 20 por oficina
Metodologia
O workshop parte de vivências práticas, com exercícios de análise de conteúdos (livros e catálogos), apropriação de recursos web e mobile, exibição de fotos, vídeos, áudio e texto, que dialogam com a teoria.

Programa

* O design na Ficção: obras de prosa de ficção, poesia, crônicas e biografias

* O design no Ensaio: obras de não ficção, críticas e reflexivas

* O design no Infanto-Juvenil: obras infanto-juvenis, quadrinhos

* O design nos livros técnicos, científicos e outros
Material didático 
* Caderno ou bloco de notas, canetas, lápis
Recursos solicitados às escolas e espaços culturais
Acesso à internet (com fio ou wireless), computadores com acesso à internet, data show, equipamento de sonorização (para exibição dos vídeos e para comunicação com o público)
Proponente

Wagner Merije é poeta, escritor, editor de livros, jornalista, curador, gestor cultural, compositor e diretor artístico do músico Raul de Souza. Tem trabalhos lançados no Brasil e no exterior,. Publicou os livros Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 – e Turnê do Encantamento (2009), dentre outras publicações. Foi curador do Sarau do Memorial, em Belo Horizonte/MG, durante os anos de 2013 a 2015, apresentando mais de 50 poetas. Organiza o “Sarau Suprasensorial”, itinerante. Participa do Sarau Suburbano e coordenou o lançamento da antologia “Poetas do Sarau Suburbano vol. 4”, assinando também o Prefácio. Tem músicas em discos, filmes, séries e programas de TV. Recebeu os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Inovação Educativa Fundação Telefônica – OEI (2011), Prêmio da Música Brasileira (2013)­­­­. Em 2014 foi homenageado pelo Salão Nacional de Poesia Psiu Poético. Mantém o site www.merije.com.br

Contatos

wmerije@gmail.com / (11) 9 9821-1330

Saiba mais: www.merije.com.br/blog/livro

 

Cidade em transe no Memorial Minas Gerais

30 mar

capa_cidadeemtranse_merije_final_recortada

 

LANÇAMENTO DO LIVRO “CIDADE EM TRANSE”, de WAGNER MERIJE

 

DATA: QUINTA-FEIRA, 07/04/16

HORÁRIO: DAS 19h ÀS 21H30

LOCAL: CAFÉ DO MEMORIAL MINAS GERAIS

Pça da Liberdade – Belo Horizonte/MG

 

A Aquarela Brasileira Livros (www.aquarelabrasileira.com.br) convida para o lançamento em BH do livro Cidade em transe, primeiro romance de WAGNER MERIJE.

Poético, o enredo fala do viver e da “vida loka” de São Paulo do ponto de vista de uma turma de jovens artistas em meio a batalhas com a polícia e muita criação.

Segundo o rapper Emicida, com o livro “viajamos por uma ficção que poderia ser realidade (ou uma realidade que poderia ser ficção?) em um labirinto confuso de prédios, carros e batidas – policiais, de automóveis, de botecos e de rap – onde uma geração que teve como oráculo a cultura hip hop precisa acalmar o jogo e tentar re-colocar as peças em seus lugares. Entre pressões e re-pressões, o tempo é o mesmo mas parece outro, mais curto, é uma bomba prestes a estourar e tudo pode acontecer…” Para o ator e diretor Mário Bortolotto, do grupo Cemitério de Automóveis, “a cidade em transe de Wagner Merije emerge nesse livro inesperadamente como um desorientado Godzilla do Tâmisa ameaçando o equilíbrio, fazendo a trilha para o tumulto e o caos, como o primeiro tiro, a primeira bomba ou o último beijo com seus Mc´s, grafiteiros e incorrigíveis românticos que apesar de todos os revezes e batalhas inglórias, ainda não desistiram da ultrapassada idéia de que é sempre possível esperar pelo “dia depois da guerra”. Ambos assinam o Prefácio do livro.

O ENCONTRO COM O AUTOR vai ser no Café do Memorial, de forma descontraída e aprazível, e pode contar com leitura de trechos do livro por parte de convidados e do próprio escritor.

Dados do produto
Autor: Wagner Merije
Editora: Aquarela Brasileira Livros

Gênero: Romance

Formato: 14×21 cm

Número de páginas: 252

Prefácio: Emicida/Mário Bortolotto

Material: Capa dura – Papel Pólen Soft

Peso: 323 grs

ISBN: 978-85-918440-0-5

Valor: R$ 35,00

.

Acompanhe essa saga em www.cidadeemtranse.com.br

 

…… SOBRE O AUTOR ……

 

Wagner Merije é poeta, escritor, jornalista, curador, gestor cultural, compositor e diretor artístico do músico Raul de Souza. Lançou os livros “Cidade em transe” (2015), “Viagem a Minas Gerais” (2013), “Torpedos” (2012), “Mobimento – Educação e Comunicação Mobile” (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013 – e “Turnê do Encantamento” (2009), dentre outras publicações. Foi curador do Sarau do Memorial, em Belo Horizonte/MG, durante os anos de 2013 a 2015, apresentando mais de 50 poetas. Trabalhou para jornais, revistas, tvs e rádios no Brasil e no exterior. Tem músicas em discos, filmes, séries e programas de TV. Recebeu os prêmios Sesc Sated (2003), Prêmio Tim da Música Brasileira (2005), Rumos Itaú Cultural (2008), Inovação Educativa Fundação Telefônica – OEI (2011), Prêmio da Música Brasileira (2013)­­­­. Criou o projeto MVMob – Minha Vida Mobile. Site: www.merije.com.br

 

……… LANÇAMENTOS ………

De junho de 2015 para cá, “Cidade em Transe” já foi lançado em Paraty/RJ – OFF Flip; em Bonito/MS – 1ª Feira Literária de Bonito; São Paulo: Casa das Rosas (2 vezes), Biblioteca Mário de Andrade, Sesc Consolação, Patuscada Café e Livraria, Livraria Suburbano; Espaço Cultural Alberico Rodrigues; em Montes Claros/MG – 29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético; em Caxias do Sul/RS – 31ª Feira do Livro de Caxias do Sul; entre outros lugares.

 

…… OPINIÃO DOS LEITORES ……

Sintonizado com o Brasil atual, o livro tem circulado bem entre outros escritores, diretores de cinema e vem obtendo ótimas resenhas de leitores de todas as idades.

“É uma crônica atualíssima… um raio x sobre estes novos tempos.” – Rômulo Garciasartista visual, escritor

“Acho muito interessante o ponto de partida ser na Virada Cultural, Praça da Sé, show de rap, confronto com polícia, manipulação da mídia… É o que vivemos socialmente e eu gosto de uma literatura que vai nessas questões. É bem São Paulo também, seus lugares, os diferentes grupos sociais… Enfim, acho ótimo e muito oportuno. Vejo o trabalho de um artista antenado com seu tempo e espaço.” – Ricardo Ribeiroator, contador de histórias, escritor

“Cidade em transe destaca-se pelo domínio linguístico do autor, que transita com facilidade do padrão culto ao coloquial, deste aos dialetos e jargões, utilizando também linguagem tecnológica atualizada, um dos índices de modernidade do romance. Ainda no plano da linguagem encontram-se, incorporados ao corpus, verbetes que estabelecem um jogo de polifonia e intertextualidade com o tema da cidade e suas questões, tratado sob o eixo do espaço narrativo – opção complexa e interessante, na organização da obra. As personagens, algumas mais planas, outras de perfil psicológico mais aprofundado são marcantes e tendem mesmo a “roubar” a cena da cidade/espaço em certos momentos. Deve-se ainda destacar a veiculação de valores bastante positivos, principalmente quando se pensa que Cidade em transe tem potencial para atingir um público jovem, tão carente de boas palavras e exemplos.” – Marisa SimonsDoutora em Teoria Literária

“Acabo de terminar a leitura do seu livro, e não podia deixar de lhe enviar um email lhe parabenizando! UOOOOUULL!!! que livro man! Confesso que fiquei um pouco impaciente no começo, ansioso pelo apogeu da trama (pela prévia que você deu no Sarau Suburbano Convicto), estranhei um pouco os nomes dos personagens… mas no decorrer fui me familiarizando. Você descreve as cenas com excelência, tem uma linguagem poética bem peculiar, bem singular.
Cidade em Transe é um livro contemporâneo, dinâmico, emocionante, versátil. Vai do fundão de SP à rua Augusta pincelando fatos ocorridos, levantando questionamentos e criticas que são importantes serem lembradas. “A arte diz o indizível” (pág 63). Cidade em transe é uma obra de arte, e consegue diz muitas coisas, não dó diz, grita, berra, e as vezes sussurra, fala mansinho no pé do ouvido. “Quando o equilíbrio é rompido, mexe-se com as bases do civilizado.” E com certeza após a leitura de Cidade em Transe, minhas bases foram alteradas. Parabéns mais uma vez.” – Cleyton Mendes – poeta, voz da periferia de São Paulo, carteiro, estudante de Comunicação Social, filho de merendeira e pedreiro

 

……… CONTATOS COM O AUTOR, ENTREVISTAS, ENCOMENDAS ………

AQUARELA BRASILEIRA Livros

www.aquarelabrasileira.com.br

E-mail: faleaquarela@gmail.com

(11) 9 9821-1330

Panelaço gourmet

16 mar

A panela batida na varanda gourmet

ou no aplicativo de iphone

não é a mesma com angu ou vazia

A panela dos brasileiros

não é a mesma do Clube das Empreiteiras

nem do Grupo dos Sonegadores

O Brasil da “panelinha” e do panelaço gourmet

é mesquinho e egoísta

é uma panela que alimenta poucos

que grita bem alto escondido atrás da impunidade:

Fora Dilma!

e leva a preta empregada para empurrar o carrinho do bebê na Avenida Paulista

O Brasil é um caldeirão cultural, é uma favela

bater panela manipulado por senador ladrão é ser estúpido ao quadrado

bater panela na hora do Jornal Nacional é o mesmo que sentar no rabo sujo de corrupção e apoiar o assassinato em massa dos índios, negros, trabalhadores rurais, judeus, homossexuais e dos pobres

Aí, big brother, big sister, você vai estar encomendando

a guerra civil e uma hora ou outra os farofeiros vão invadir o seu triplex

e a sua varanda gourmet

Nessa hora, o jeito vai ser bater panela juntos

Um poema (em elaboração) de Wagner Merije

Crianças

14 mar

Em meio a tanta confusão

racismo, ódio, corrupção

desemprego, injustiça, inflação

síndromes que vêm e vão

eu olho para as crianças

e vejo a cara do futuro

não sejas cruel

tem um sorriso no meio disso tudo

porque criança nasce com um sorriso

para estampar no rosto

pares de pisar nos nossos corações

tem que ter compaixão

todo mundo passa pela infância

tem que ter sorriso nisso

essa é minha esperança

tem que ter um cantinho para a gente cuidar

desse jardim e plantar novas sementes

e ver crescer destinos

meninas e meninos plenos

de direitos, de sorrisos

plenos

eu posso estar cansado do presente

e sei bem dos fantasmas do passado

mas nas caras das crianças

eu vejo o futuro parecer criança

eu posso estar explodindo por dentro

o mundo pode estar explodindo por fora

mas eu respiro, olho nos olhos

e penso que com criança a gente tem

que lidar com respeito e infância

tem um sorriso lá no fundo dizendo

alimente esse sonho

brinque na corda bamba

veja o mundo como as crianças

com a cara e a coragem das crianças

sempre brincando de frente pro presente

As crianças chegam nos pedindo um pouco mais de tempo, passos mais lentos, olhares mais atentos, abraços sem pressa, sorrisos sem limites…

Um poema (em elaboração) de Wagner Merije