FLII – Palavras de Fogo

15 set

 

3ª FLII_Palavras de fogo

 

A 3ª EDIÇÃO do Festival Literário Internacional do Interior – FLII Palavras de Fogo, em homenagem às vítimas dos incêndios florestais em Portugal, já tem sua programação definida.

Sob a égide do lema “A arte e a cultura como reanimadores de uma região e de um povo”. participam grandes nomes da literatura e do mundo do livro em nível mundial.

Trata-se de um evento intermunicipal, daí o seu caráter inovador, que decorrerá em 11 concelhos da região afetados pelos fogos, com o objetivo de levar os livros e os escritores aos sítios mais inusitados e imprevisíveis, como fábricas, campos, praias, igrejas, mercados, romarias, locais onde as pessoas trabalham e convivem.

Ou seja, os livros vão ao encontro dos públicos porque também eles têm saudades.

Esta edição é dedicada a Maria de Lourdes Pintasilgo e ao nonagésimo aniversário do seu nascimento, bem como a Fernando Namora e ao centenário do seu nascimento.

Com o tema transversal “Cuidar o Futuro”, e porque este é um festival de causas, pretende-se abordar questões candentes para o devir do mundo, desde logo a emergência ambiental.

Wagner Merije é um dos convidados e na ocasião apresentará os livros mais recentes, como Psyché e Hamlet vão para Hodiohill, O Cotovelo Kovid, Propostas novas para novos mundos, entre outros.

 

9 de Outubro, 6ª feira

15.00 – Biblioteca Municipal Miguel Torga – Arganil

«Ouviremos o protesto donde quer que venha, e no coro das aspirações dissonantes e por vezes antagónicas prestaremos atenção ao silêncio dos que na sociedade permanecem sem voz.

Maria de Lourdes Pintasilgo

Painel – Wagner Menije, Sue Cosgrave

Moderadora – Rita Martins

 

Confira a programação completa aqui: 3ª FLII-Palavras de Fogo_Miolo_Livro_Festival_ (1)

 

Acompanhe também as atividades associadas ao evento nos websites a seguir:

www.arte-via.org

www.litfestwordsoffire.com

www.literaryfestivals.eu

www.festivaisdalusofonia.com

www.palavrasdefogo.pt

Blimunda_Ignácio de Loyola Brandão por Wagner Merije

29 ago

Blimunda 97_capa

Blimunda #97, julho/agosto de 2020

Este número duplo da revista Blimunda, revista da Fundação José Saramago, referente aos meses de julho e agosto de 2020, tem os seguintes destaques: O que devemos a Angela Davis, um texto de Sara Figueiredo Costa a propósito da publicação em Portugal do livro A Liberdade É Uma Luta Constante; uma entrevista a Ignácio de Loyola Brandão conduzida pelo jornalista e pesquisador Wagner MerijeEra uma vez, crônica da jornalista e escritora mexicana Sandra Lorenzano; um artigo, assinado por Andreia Brites, sobre os 10 anos de Liliput, rubrica dedicada à literatura infantojuvenil que a jornalista Sandy Gageiro mantêm na rádio Antena 2; Somos seres amputados, uma intervenção pública de José Saramago que teve lugar em Porto Alegre em 1999.

Descarregar/Download gratuito: Blimunda-97-julho-e-agosto-de-2020

No site da Fundação José Saramago

Ler no Scribd

Propostas Novas para Novos Mundos

20 ago

Capa_Coverpage_PROPOSTAS novas para novos mundos

 

Uma publicação potente, com textos e imagens de enorme qualidade, variedade de estilos e relevância dos conteúdos, que entrará para a história como um importante documento de reflexão

 

Propostas Novas para Novos Mundos trata-se de um projeto coletivo de intervenção literária e artística surgido durante a pandemia, nos primeiros meses de 2020, constituído por várias pessoas que atravessaram momentos assustadores, angustiantes e de profunda incerteza perante as contrariedades da Covid-19.

O e-book resultante das respectivas propostas, advindas de autores de vários continentes,  encontra-se disponível para o público geral através de download gratuito.

Participam nesta coletânea Alejandra Coz Rosenfeld, Ana Cláudia Henriques, Andreia Azevedo Moreira, Carlos Nuno Granja, Carlos Seabra, Dennis de Oliveira, Eliane Testa, Fiamma Viola, Franco Barbato, Gian Luca Masciangelo, Graziela Andrade, João Morales, Julie-Cerise Gay, Marcia Langfeldt, Marcos Silva, Melina Sarnaglia, Mirian Ringel, Paulo Branco Lima, Peilin Yu, Pilar Colás, Pires Laranjeira, Rômulo Garcias, Virna Teixeira e Wagner Merije.

São pensadoras e pensadores de países como Brasil, Chile, China, Equador, França, Inglaterra, Israel, Itália, Noruega e Portugal, atuantes em várias áreas do conhecimento e da sociedade, engajados em diversos projetos e iniciativas.

Entre os temas abordados incluem-se a falta de clareza quanto aos rumos da sociedade, o afeto, a maternidade, a família, a educação, a arte, a justiça e a injustiça, o racismo, a violência, a economia, a ecologia e muito mais. Em resumo, este livro eletrónico tenta formecer pistas de reflexão às questões mais pertinentes da conjuntura atual: Em que acreditamos? Como agimos? O que podemos fazer que não fizemos?

De acordo com Wagner Merije, organizador e coordenador editorial da iniciativa, “tudo o que tínhamos pela frente era incerteza. Na verdade, mais do que nunca, agora temos uma certeza: que a natureza é brutal e pode promover a nossa extinção com facilidade. No fundo, somos todos indivíduos frágeis. Sem uma determinada organização e elevado instinto de justiça e solidariedade, muitas vidas serão perdidas. Ao mesmo tempo, somos seres plurais, o universo (multiverso) é composto de muitas vidas, e só o respeito mútuo permitirá a comunhão dessas vidas no Planeta Terra.”

Nas 212 páginas a potência da publicação se manifesta em textos diversos, como ensaios, artigos científicos, crônicas, contos, poemas, além de fotografias, colagens, ilustrações, artes plásticas e visuais.

Nas palavras de Paulo Branco Lima, escritor e editor adjunto do projeto, “muitos de nós atravessámos o período de confinamento a observar e a refletir sobre o mundo e a vida. Parados em casa por dias e dias (quem pôde, enfim), fomos perdendo a noção de tempo e passámos a mensurar o valor das amizades, das companhias, da simplicidade, ao invés de contar quantas roupas ou sapatos, quantos carros ou privilégios que o dinheiro pode comprar – coisas e posses que, em determinadas situações, perdem o sentido.”

Como documento deste tempo, trata-se de um trabalho com profundidade e seriedade para servir de reflexão para a posteridade, seja ela qual for.

Eis um convite para ler, ver e refletir sobre essas páginas e partilhar destas visões de vidas e dos mundos, eis aqui alguns pontos de vista em busca de olhares mais coletivos.

Compartilhar conhecimento

Como é do conhecimento de todos, os vários agentes culturais estão a trabalhar para que os seus públicos,  que atravessaram períodos de isolamento e ainda estão sob tensão, não sejam privados de acesso e contato com o conhecimento e a prática das artes. Interessa-nos que a reflexão seja um instrumento para as mudanças necessárias.

Atentos a isto, a Aquarela Brasileira Livros e as autoras e autores de Propostas novas para novos mundos oferecem o download gratuito aqui: Propostas novas para novos mundos_Final ou em www.aquarelabrasileira.com.br/propostas-novas-para-novos-mundos

Ajude a divulgar este projeto entre seus amigos e rede de contatos. Partilhe! Que o conhecimento circule livre e acessível para todos.

 

DADOS DO E-BOOK
Título: Propostas novas para novos mundos
Autores: 24
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Número de páginas: 212
ISBN: 978-65-86867-05-3
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/propostas-novas-para-novos-mundos

 

 

Aquarela Brasileira Livros

Livros são Incríveis! A gente ama!

www.aquarelabrasileira.com.br/aquarela-brasileira-livros

www.facebook.com/aquarelabrasileira

faleaquarela@gmail.com

 

José Saramago 20 Anos com o Prémio Nobel

10 jul

José Saramago 20 Anos com o Prémio Nobel_capa

Publicado pela Imprensa da Universidade de Coimbra o livro eletrónico “José Saramago: 20 Anos com o Prémio Nobel”, que reúne as comunicações apresentadas por ocasião do congresso com o mesmo nome.
MEU ARTIGO começa na página 789.
Realizado a 8, 9 e 10 de outubro de 2018, o congresso (o maior que alguma vez se fez sobre Saramago) permitiu atualizar e debater conhecimentos sobre praticamente todos os aspetos da vasta e multifacetada obra do escritor: os seus romances e os grandes temas que neles estão representados, as personagens e os seus modos de existência, a poesia e o teatro, a cronística e as adaptações da ficção a outras artes. No total, foram cerca de cinco dezenas de comunicações, da autoria de participantes oriundos de vários países, com destaque para Portugal e para o Brasil. São essas comunicações que agora se publicam, com acesso livre.

Para fazer o download, acesse um dos links abaixo:

http://monographs.uc.pt/iuc/catalog/book/57?fbclid=IwAR0RCKvHY0fwirXpBD67VH4_GK38q7WdPzlqP-Zp6fD7sJAtJdujv0JIr7g

José Saramago_20 anos com o Prémio Nobel_e-book

O ser humano é um selvagem fugindo da educação

29 jun

Eles param um preto na beira da estrada na boca da noite, altas horas Eles cercam o preto que voltava para a casa E derrubam o preto na terra seca O preto é pacífico e não reage Foi pego de surpresa O preto cai de cara no chão duro Enquanto os três homens riem Um quarto homem acelera o carro e joga fumaça preta na cara do preto para delírio dos quatro homens que riem, riem muito Eles filmam a fumaça espessa atirada na cara do preto que ainda mais preto, atordoado e intoxicado parece completamente perdido Eles filmam tudo cada um com seu iphone novo e riem, riem, riem enquanto atacam o preto da estrada Será que estão bêbados? Será que são brancos? Será que são ricos? Me pergunto enquanto chutam o preto O que sei é que são infames! E cospem no preto E filmam tudo E compartilham nas redes sociais rindo, rindo muito Urinam na cara intoxicada do preto Cospem no preto Batem no preto E ainda dizem: Seu preto! Quem eles pensam que são? Quem lhes deu esse direito? O que eles têm na cabeça? Por que se comportam assim? Ainda dizem que não há racismo. Ah, isso é só brincadeira de menino O diabo tentou E eles caíram. Mentira! Mentira! O preto estava no caminho De homens maus e sem caráter. Assassinos! Covardes! Covardes! Quatro contra um indefeso Desamparado e sozinho Assaltado no meio do caminho Eles se acham superiores Eles têm sangue nas mãos Eles não se importam Eles têm advogados bons E dizem que não há racismo E riem, riem, riem Sabendo que farão de novo E seguirão impunes Tem sido assim há tantos séculos Tem sido assim com negros, indígenas, refugiados, mulheres Tem sido assim e o mundo é cego Me revolto, me debato Mas não sou o preto não Sou apenas um indignado em um mundo em que o ser humano é um “selvagem” fugindo da educação

29/06/2020, Coimbra, no Portugal que escravizou pretos, a partir de um vídeo visto no facebook, e depois de George Floyd e tantos outros trucidados pelas estradas escuras da vida bandida, no Brasil, na África e por aí afora De Wagner Merije (em construção)

Dia Mundial da Língua Portuguesa

29 abr

Várias pessoas ligadas ao mundo da escrita, autores, professores e editores se preparam para a comemoração do Dia Mundial da Língua Portuguesa, no próximo dia 5 de maio de 2020.

DMLP 1

 

O escritor, jornalista, editor e investigador na Universidade de Coimbra, Wagner Merije, faz parte da organização da Frente Mundial para celebrar esta data tão importante.

DMLP 3

Os encontros, que seriam presenciais, com mesas de discussão e apresentações, devido ao isolamento da pandemia, serão realizados online.

Confira vários depoimentos em vídeos curtos, de pessoas de países onde se fala português.

DMLP 2

 

Wagner Merije: https://flipgrid.com/0f032ce4

 

A dança dos vivos

27 abr

Posso te ajudar?
Publiquei esta pergunta hoje no facebook de coração e cabeça aberta. Uma experiência.
Alguém respondeu: Pode, declame um poema.
Logo várias ideias vieram e nasceu este poema, a queima roupa, e o vídeo veio como uma brincadeira para ilustrar, para aliviar estes tempos loucos de Covid 19.
Tudo muito simples, muito leve, apenas para arejar as mentes.
Pois bem, fiz com o coração, para todos vocês.
Conversem comigo. A gente cresce juntos. Deixe seu comentário. Se inscreva no canal do youtube. Partilhe.
Axé!

 

A DANÇA DOS VIVOS

 

Não há horizonte cego

Há sempre um lugar para chegar

Tirar os pesos dos ombros

Sentir o sangue circular

 

O sol já se levantou

É hora de acordar

Se até os mortos dançam

Eu também quero dançar

 

Belo é o desejo

Mais forte o sonhar

Abraçar alma e corpo

Saber se amar

 

Pernas para que te quero

Pés para flutuar

Se até os mortos dançam

Sinal de que a gente deve dançar

 

Nuvens cinzas

Encher o pulmão de ar

Sentir o toque fino

Da vida que ainda há

 

Abrir as portas do coração

Ver a brisa entrar

Se até os mortos dançam

Por que você não vai dançar

 

É uma roda, é uma ciranda

Um baile a preparar

Velhos, adultos, crianças

Cada um escolhe um par

 

Já choramos muito

Um dia novo acaba de chegar

Se até os mortos dançam

Nós também vamos dançar

 

 

Um poema de Wagner Merije

Coimbra, 27/04/2020 – Vai ficar tudo bem!

Livre improviso sobre imagens de minha cidade em “I Charleston Belo Horizonte”

Dia Mundial do Livro

24 abr

Dia Mundial do Livro_Coolectiva_Merije

No Dia Mundial do Livro, Wagner Merije lê o poema “Exilados”, a convite da revista portuguesa Coolectiva.

Veja aqui:

https://coolectiva.pt/2020/04/23/dia-mundial-do-livro-pedimos-a-7-leitores-para-nos-contarem-uma-historia/

Todos os caminhos levam a Coimbra

20 abr

“Todos os caminhos levam a Coimbra” é um curta-metragem concebido e sedimentado a partir da literatura que se respira em Coimbra, de Camões a Miguel Torga, de Florbela Espanca ao Poeta G, com reverência à sua História, Arquitetura, Meio Ambiente e Povo. Misto de documentário com ficção, traz histórias de criadores que habitam o imaginário desta que é uma das cidades mais enigmáticas de Portugal e do mundo. Com pitadas de mistérios e magia, pois “imaginar é sonhar”, como escreveu Almeida Garrett.

Este filme não é uma tentativa de contar a história de uma cidade, mas é, antes, uma forma livre de demonstração de carinho, uma via de experimentar suas utopias criadoras, nas palavras do Professor Doutor José Bernardes, que participa com depoimentos peculiares e profundos. Lembrando Camões, que toma corpo e alma na tela, “a verdadeira afeição na longa ausência se prova”.

Segundo Jacques Ranciere, “o cinema tem provado que a forma documental, na qual se organizam fatos comprovados, implica em invenções ficcionais mais ricas do que as necessárias para se criar uma ficção plausível. E o cinema mais interessante hoje é aquele que embaralha documento e ficção. A ficção não é o oposto da realidade, mas a construção de um senso de realidade”.

DURAÇÃO: 16’13”

ELENCO
Camões, Paulo Branco Lima (Camões redivivo), José Bernardes, Poeta G, Élia Ramalho, Antero de Quental, Florbela Espanca, Minerva, Almeida Garrett, Eça de Queirós, Alexandre Herculano, Marquês de Pombal, Infante D. Henrique, Nun’Álvares Pereira, Tito, Loba do Capitólio, Penélope, Vitória de Samotrácia, Ulisses, D. João V, Gil Vicente, Fernando Pessoa, Freddie Mercury, E.T.

EQUIPA TÉCNICA
Produção: Aquarela Brasileira Images
Roteiro & Direção: Wagner Merije
Câmeras: Aquarelistas
Edição: Daniel Quintela
Gravações de áudio: Vasco Otero / RUC

AGRADECIMENTOS
Universidade de Coimbra, 21ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra – Caminhos, José Augusto Cardoso Bernardes, Teresa Baptista, Grau, Paulo Branco Lima, Vasco Otero, Élia Ramalho, RUC, Domingues Pinto, Erick Morris, Roberta Scatolini, Dora Merije Scatolini Araujo, elenco, colaboradores e amigos.

INFORMAÇÕES e CONTATOS PARA EXIBIÇÕES
faleaquarela@gmail.com

Nos salva

26 mar

Nos salva, poema visual de Wagner Merije

 

 

 

Nos salva, poema visual de Wagner Merije