Nos salva

26 mar

Nos salva, poema visual de Wagner Merije

 

 

 

Nos salva, poema visual de Wagner Merije

Sintomas de uma sociedade doente

04 mar
Foto: Wagner Merije

Foto: Wagner Merije

Camus wrote in The Plague about epidemics: “The evil that exists in the world almost always comes from ignorance, and goodwill without clairvoyance can cause as many disasters as evil”.

Camus escreveu em The Plague sobre epidemias: “O mal que existe no mundo quase sempre vem da ignorância, e a boa vontade sem clarividência pode causar tantos desastres quanto o mal”.

Coronavirus is not the disease, it is the symptom of a sick society.

O isolamento de nossos amigos e parentes, a solidão, o medo,

os dias sem trabalhar, sem produzir, sem existir

Hoje o circo midiático,

amanhã o lucro com a morte,

depois de amanhã, recomeçar…

Time is Money!

Disease is Money!

Fake News is Money!

Kill the Poor!

Coronavirus is not the disease, it is the symptom of a sick society.

 

A cena a seguir foi minuciosamente discutida às gargalhadas no Gabinete do Ódio:

Com as casas vazias sendo tomadas por novos moradores, se erguerão os sobreviventes a comemorar os novos tempos depois da peste

A esses – poupados -restará agradecer a Deus e servir aos assentados no poder da morte

 

 

Por Wagner Merije (texto e foto) (04/03/2020

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill

12 nov

Psyché e Hamlet_capa3d

Psyché e Hamlet vão para Hodiohill, novo lançamento da Aquarela Brasileira Livros, é uma história de amor em meio ao caos

 

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill, novo romance de Wagner Merije, conta a história de amor de duas almas sensíveis, P e H, que se conhecem num aeroporto, pouco antes de embarcarem rumo ao desconhecido. Mas os dois não seriam capazes de prever tudo que iriam viver em Hodiohill.

Em uma escrita ágil e inteligente, com pinceladas de humor, sentido de liberação e transfiguração, Psyché & Hamlet vão para Hodiohill convida leitores e leitoras para viverem uma história de amor carregada de aventura, suspense e grandes questionamentos existenciais.

Entre reviravoltas e situações insólitas e distópicas, o que está em jogo é o poder do amor e de que forma a Humanidade poderá salvar-se de inúmeros impasses.

O autor embaralha as fronteiras do gênero romance, mas por uma boa causa. Pelo olhar e vivências das personagens são abordados temas como a violência, o autoritarismo, o fanatismo religioso, o colonialismo, a xenofobia, o patriarcalismo, o machismo e padrões de relacionamentos afetivos.

Ao final de uma montanha russa carregada de adrenalina e fortes emoções, algumas perguntas ficam no ar, como: “de onde vem o ódio que tomou muitas vidas e países de assalto?”; “por quê perdemos tanto tempo com intrigas e guerras, quando a vida passa tão rápido e se esvai como uma chama?”

Psyché & Hamlet vão para Hodiohill é o segundo romance de Wagner Merije, autor de trabalhos diferentes e, ao mesmo tempo, em constante diálogo. Publicou os livros Astros e Estrelas – Memórias de um jovem jornalista em Londres (2017), Mexidinho (2017), Cidade em transe (2015), Viagem a Minas Gerais (2013), Torpedos (2012), Mobimento – Educação e Comunicação Mobile (2012) – finalista do Prêmio Jabuti 2013, e Turnê do Encantamento (2009). Além destas obras, participou de coletâneas, organizou, editou e prefaciou mais de duas dezenas de livros, entre os quais estão obras de Fernando Pessoa, Camões, Camilo Pessanha e João José Cochofel, e títulos como O garoto Regulus – Freireando a vida (2019), Coimbra em imagens (2019), Coimbra em palavras (2018), São Paulo em imagens (2017), São Paulo em palavras (2016), Trinta Anos-Luz – Poetas celebram 30 anos de Psiu Poético (2016) e Pelas periferias do Brasil vol. 6 (2016). É investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo publicado ensaios e artigos sobre literaturas de língua portuguesa, inglesa e grega. Saiba mais em www.merije.com.br

 

DADOS DO LIVRO
Título: Psyché e Hamlet vão para Hodiohill
Autor: Wagner Merije
Editora: Aquarela Brasileira Livros
Gênero: Romance
Formato: 14 x 21 cm
Número de páginas: 164
ISBN: 978-85-92552-20-6
DL: 461950/19
Web: www.aquarelabrasileira.com.br/psyche-e-hamlet-vao-para-hodiohill
Encomendas: faleaquarela@gmail.com

 

LANÇAMENTOS/APRESENTAÇÕES
LISBOA/PT – 23/11/19 – sábado – das 16h30 às 18h30
Lugar Específico – Rua Actor Vale, nº 16 B

COIMBRA/PT – 26/11/19 – terça-feira – das 20h às 22h
Liquidâmbar – Praça da República nº 28 1º

PORTO/PT – 28/11/19 – quinta-feira – das 21h às 23h
Unicepe – Praça de Carlos Alberto, 128-A

SÃO PAULO/SP - 10/12/19 – terça-feira – das 19h às 21h
Casa de Portugal -Av. da Liberdade, 602 – Bairro da Liberdade

SÃO PAULO/SP – 14/12/19 – sábado – das 13h às 15h
O Autor na Praça – Espaço Plínio Marcos – Praça Benedito Calixto – Vila Madalena

BELO HORIZONTE/MG – 17/12/19 – terça-feira – das 19h às 21h
Livraria do Belas – Rua Gonçalves Dias, 1581 – Lourdes

BELO HORIZONTE/MG – 28/01/20 – terça-feira – das 19h às 21h
Asa de Papel Café & Arte – Rua Piauí, 631 – Santa Efigênia

SÃO PAULO/SP – 04/02/20 – terça-feira – das 19h às 21h
Patuscada Livraria, Bar & Café – Rua Luís Murat, 40 – Vila Madalena

*Programação sujeita a mudanças

 

Acompanhem tudo por aqui:
www.aquarelabrasileira.com.br/psyche-e-hamlet-vao-para-hodiohill

70 x Caio Fernando Abreu com poemas de Wagner Merije

25 set

70xCaio_Editora Patuá

Olha que coisa linda: a poesia de Wagner Merije está nesta bela obra em que setenta poetas homenageiam Caio Fernando Abreu.

A coletânea 70 x Caio, lançada pela Editora Patuá, é uma iniciativa do Davi Kinski e, inicialmente, tinha o objetivo de homenagear os 70 no nascimento do escritor, falecido em 1996.

Mas o tempo passou e esse livro, que celebra a diversidade — de vozes, mas sobretudo da vida — chega no momento certo. São vozes que evocam a poesia para falar de amor, liberdade, verdade e vida.

Lista dos autores que se encontram nessas páginas:
Wagner Merije | Marcos Lemes | Bruno Bossolan | Marcelo Ariel |Luis Guilherme Libório | Adriane Figueira | Beth Brait Alvim | Aires Mourinho | Marcos Fábio de Faria | Léo Ottesen | Nay Harrison de Lucena | Rita Maria Kalinovski | Lívia Aguiar | Davi Kinski | Emuah, Paula Valéria Andrade | Roger Willian | Michelle C Bus | Laura Castro | Camila Morgana Lourenço | Marcio Markendorf | Rosana Mercia Valentim | Daniel Valente | Gabriel Felipe Jacomel | Rodrigo Novaes de Almeida | Maya Falks | Juliana Maffeis | Jana Lauxen | Pierre Rinco | Simone Henrique | Viviane Castelleoni | Daniel Perroni Ratto | Adriana Caló |Greta Benitez | Pedro Tostes | Rosana Piccolo | Alessandro Sbampato | Rosana Banharoli | Juliano Caravela | Jr Bellé | Raul Almeida | Carolina Montone | Marina Moura Barreto | Sergia A. | Cesar R. Pontual(Bruno César Martins Rodrigues) | Cássio Junqueira | Jayme Serva | Rosana Barroso Miranda | Alice Yumi Sakai | Maria Vânia Bandeira de Matos | Cleyton Cabral | Franck Santos | Gilmar Junior | Teofilo Tostes Daniel | Vanessa Molnar | Jorge da Matta | Bruno Borin Boccia | Bruno Candéas | Ozeias Alves | Daniel Viana | Paulo César de Carvalho | Luiza Cunha | Clóvis Struchel.

Festival Literário de Ovar 2019 com Wagner Merije

11 set

FLO_Cartaz
O poeta, escritor e editor Wagner Merije, é convidado do Festival Literário de Ovar 2019, que ocorre na cidade litorânea portuguesa.
Esta é a quinta edição do evento.
No dia 15/09/2019, pelas 15h, Wagner Merije estará ao lado dos escritores Pedro Guilherme-Moreira, Pedro Teixeira Neves e Manuella Bezerra de Melo, para uma conversa com o público sobre poesia, prosa, literatura, edições em Portugal e no Brasil, sobre vida na literatura e vida na academia – a pauta é boa
A programação, que você pode conferir a seguir, está repleta de prestigiadas escritoras e escritores.

FLO19_Ovar_programação

Link Issuu

2º Congresso ABRE em Paris

08 set

Congresso ABRE_cartaz

De 18 a 21 de setembro de 2019 acontece em Paris, França, o II Congresso da ABRE (Associação de Brasilianistas na Europa).
A abertura do evento é dia 18 de setembro (quarta-feira), às 9h, para os participantes.
Os painéis e sessões de comunicações, programados para acontecer na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), começam neste dia, às 13h30, e são abertos ao público.

Wagner Merije (Wagner Rodrigues Araújo), investigador na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, participa com a comunicação Distopias dos dois lados do Atlântico – José Saramago e Ignácio de Loyola Brandão e a vida no limbo.

Para mais informações, consultem a página do congresso:
http://abre.eu/congresso-abre-ii-2019/

 

 

Programa Retratos com Chico César

03 set

Entre 2001 e 2003 o jornalista Wagner Merije trabalhou na TV Horizonte em dois programas: Clipshow e Retratos.

O primeiro era um programa diário de música com clipes, entrevistas, notícias e shows ao vivo, em que Merije cuidava do roteiro, direção e fazia-se  de apresentador ocasional.

O segundo, um programa de entrevistas ao vivo, foi uma grande escola de conhecimentos gerais, culturais e humanos, em que Wagner Merije teve a oportunidade entrevistar inúmeras personalidades brasileiras e internacionais do mundo das artes.

Confira um desses programas com o fantástico cantor, compositor e escritor Chico César.

Era um canal de televisão novo, com poucos recursos, com muita gente nova aprendendo junto. Faltava um diretor para o programa, um bom iluminador, a maquiagem era carregada, mas a conversa fluía fácil.

Direto do túnel do tempo. Tempo rei, ó tempo rei!

Programa RETRATOS com o cantor, compositor e poeta Chico César.
Um delicioso bate-papo sobre arte e vida, música e Brasil.
Roteiro e Apresentação: Wagner Merije
TV Horizonte – 01/11/2002

Festival Visual Brasil 2018_16ª edición

29 ago

Barcelona, mi amor, gracias por receberme con cariño!
Festa linda esse Visual Brasil Festival 2018, 16ª edição.
Segundo ano que Merije se apresenta nesta festa internacional: a primeira vez foi em 2012 e a segunda em 2018.

Com amigos especiais, como Ricardo Silveira Cançado como curador, e VJs, DJs e artistas de vários países.

Veja esse show de imagens: https://vimeo.com/356382344

Arte Parte

21 ago
Foto-arte: Wagner Merije

Foto-arte: Wagner Merije

Na pele

Aniversário

14 ago

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino.
O que fui — ai, meu Deus!, o que só hoje sei que fui…
A que distância!…
(Nem o acho…)
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a humidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes…
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio…

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos…
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim…
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui. . .
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado —,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos. . .

Pára, meu coração! Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira!. . .

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!. . .

 

 

Álvaro de Campos, 15-10-1929. 1ª publ. in Presença, nº 27. Coimbra: Jun.-Jul. 1930.